Balada para Aned

Destacado

Cá estamos, você e eu.

Palpita seu coração, que acabam de capturar e prendem nas mãos, como a um pássaro silvestre.

O pescoço aprumado, os olhos bem abertos, o assombro.

Um gole de vinho te apazigua, por um instante.

É que você tem fome de mundo e gente (pecado, sabemos, as armadilhas, os visgos, as gaiolas).

Isso de querer tudo, encontros, festas, sonhos de quem ama?

Dribles na solidão, sabemos, ou saberíamos, mas não.

Quem sabe driblar, como craque? Quem nasceu com o dom?

Rosa dos ventos, você vê o que ninguém cuida.

Enlaça tudo na teia (tão própria), e se guarda na tocaia.

Retém o memorial dos enlaces e das teias.

Ninguém faz isso igual ou tão bem. Ninguém mais faz, por falar nisso.

Que falta que a falta faz.

Quem se deixou prender há de notar sua letra tão própria.

As vogais ganham porte; o efe, o ele, o gê marcam seu tempo no espaço.

Carta, bilhete, receita de bolo, tudo autorretrato.

Mas te entristece que escapem da teia e se encasulem. 

É capaz de se desavir com uma cidade ou uma galáxia, familiar, se houvesse tempo naquela época.

Tempo agora há, por enquanto.

Nunca faltou tempo a ninguém, antes de não haver tempo pra ninguém.

O mundo não presta, em certas e tantas horas costumeiras.

Você está certíssima, Aned.

Sim, você traz cada um de volta, à teia, recaptura de cor, de coração, um coração culpado.

Este estroina, sim, estroina, bandalha, de quem você reúne tudo que ele escreveu, ou seja, tudo que ele é ou pretendeu ser, se perdeu de tanto não sonhar.

Importa que agora esteja a te ver de longe, menina gorducha no retrato de papel áspero.

Vê a camada interior de seu coração, o pentimento de uma alegria de viver, quando estoura esse luzir na superfície, pra logo se recolher, como um fóton.

E já espia fotos outras de um álbum no ar.

A colegial irrequieta em tudo, a começar do corpo. Um desconforto que não se resolve mais.

Trabalhar cedo, estuda depois, cheia de amores e dores.

Aned, sua vida é um livro do desassossego ela própria, inextrincável, incomparável, e a um tempo didática.

Lembra-se?, claro que se lembra da santinha meio retorcida pelas chamas do fogo em uma de nossas casas, herança materna que você manteve tal qual?

Está mesmo ali, o ícone, com camadas a revestir seu pequeno manto — parada, estação, ponto de embarque e encontro.

Há cinco anos te devia este bilhetinho, Edna Marta.

Aí  está. Cá estamos, provisoriamente. Descanse em paz.

Saiu!

Destacado

Para quem acompanhou no blog minhas crônicas de viagem e os capítulos do livro que adiantei em vários posts, aí está: acabo de parir o rebento, que se põe a chorar e a clamar por leitores como você.

O livro sai por meio do KDP, a ferramenta de autoedição da Amazon, disponível por enquanto apenas para os Kindles da marca.

Turismo cultural e literário na Europa – 65 Destinos: Propostas, Relatos e Diários de Viagem, o nome do livro, do meu livro de viagem, uma razão de ser deste blog.

Clique na imagem acima para chegar à página da Amazon, ou aqui, para ler uma apresentação.

Como sabe quem lê nessas caixinhas, o interessado pode baixar uma amostra grátis das obras em formato eletrônico, antes de se decidir pela compra.

Esta edição reúne minhas pesquisas, anotações, leituras e reflexões sobre o que chamo, humilde e modestamente, a arte da viagem, de 2005 a 2019.

Os textos mais recentes são crônicas de Copenhague, Berlim e Trieste, que adiantei aqui e depois atualizei e ampliei para entrar no livro.

Abaixo, compilo os destinos que surgem ao longo do trabalho em crônicas, ideias, diários e até poemas!

Predominam, como se pode ver, trajetos pela Espanha, Itália e Portugal. Mas as referências literárias, artísticas e históricas se espalham pelo continente.

Segura as pontas! 2020 vem aí.

O blog deseja aos caros leitores um feliz ano novo. Vamos lá!, audaciosamente. Onde ninguém jamais esteve!, como a USS Enterprise do capitão James T. Kirk e do Sr. Spock.

Chegou Jurupoca #08

Opa. Como assinar, gratuitamente?

É só clicar aqui, botar seu e-mail e depois confirmar.

As cartas já enviadas estão disponíveis neste link.

Jurupoca está no ar. Assine-a

A newsletter é sucedânea deste jornal, por enquanto.

Na carta quinzenal, compartilho com os leitores, por e-mail, o ofício de um editor de cultura na diáspora das redações, comentando o que leio, ouço e vejo de bom e considero importante.

Ah, tem também alguma lenga-lenga sobre a desordem do mundo.

Assine a carta com um clique aqui — informe seu endereço eletrônico, depois confirme a assinatura em sua caixa postal. É grátis.

Juripoquemos!

Para ler os números já publicados vá por aqui.

Grogotó

Daqui a pouco virão o sol, as uvas e o vinho.
Nem é preciso crer nisso.
Nem é preciso crer na sede e na alegria.
Não é preciso crer.
Exceto se a dúvida te divide.

Aí grogotó: pobre de ti,
Quando precisas crer,
Quando queres crer,
Já não podes,
Não podes descrer.