Meu primeiro e único poema nonsense fora “Un deux trois”, de longa data.

Agora algo novo, conformado aos novos tempos e ao Instagram.

Talvez seja o começo de uma série, a que batizo #não tem registro.

A hashtag acende uma vela à memória do matreiro robô (“sua lata de sardinha enferrujada?”, batia-lhe o bordão do Dr. Smith) do seriado americano “Perdidos no Espaço”, manancial de imaginação de minha infância.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s