Aqui é o fim do mundo outra vez

Eu, brasileiro confesso minha culpa: viajei aos anos 1960 num tour tropicalista. De volta para o futuro, deparei com a geleia geral brasileira, agora movediça, que as redes sociais, os jornais e os odiodutos anunciam


Foto do alto (reprodução): Torquato Neto no filme A múmia volta a atacar, de Ivan Cardoso, 1972.


Jurupoca_67, 16 a 22/4/2021, ano 2


Abril

Abril se mostra em luz,
Revela meus mortos morridos
e os morituri que te saúdam.

Me alegra no entanto
esta brisa de ouro e palha.

Antônio Siúves: Moral das horas, 2013, Manduruvá Edições Especiais


E quem não dança não fala
Assiste a tudo e se cala

Não vê no meio da sala

As relíquias do Brasil:
Doce mulata malvada
Um LP de Sinatra
Maracujá, mês de abril”


Geleia geral (Gilberto Gil e Torquato Neto)

Tony Newman e Doug Philips embarcam no túnel do tempo

Opa! Vamos apear? Ora, vamos!

Mais que nunca, é preciso desafinar o coro dos contentes.

E mais que nunca é preciso desafinar os coros dos descontentes exclusivistas radicais:

o coro do negacionismo e

o coro da tribalização ideológica e identitária.

Mas abril acontece outra vez.

Folhas de ouro lavado esbatem a luz da tarde, com a primeira brisa outonal.

Quem dera pudéssemos desfrutar.

Um passeio, um cinema, um piquenique com toalha estendida e algum vinho rosado.

Mas não.

Não tem lá fora, ou tem mas não está.

Abomino anacronismos, isso de comparar épocas e eras para o bem e para o mal, misturando ideias e fatos fora de lugar.

Mas a barra tá pesada, mana, e navegar é preciso.

Sucedeu de o tempo me dar um tranco na memória.

Me mandar “de volta” aos anos 1960.

Regresso quase sessentão, outro ser que não o menino que parece ter vindo à luz em setembro de 1961, lá.

Minha máquina do tempo, você sabe, sempre tem música ligada, o que me situa e sintoniza.

Vou, viajo, chego, volto: vejamos.

O primeiro som que me chega aos ouvidos são acordes de Geleia geral (composição de Gilberto Gil e Torquato Neto, do disco de Tropicália: Ou Panis et Circenses, 1968):

“Ano que vem, mês que foi
Ê bumba-yê-yê-yê
É a mesma dança meu boi”

Perdido no tempo e no espaço, tento entender o que se passa.

Me acalmo.

Junto cacos, compro lembrancinhas, leio jornais numa banca de revistas, ando nas ruas, bebo num botequim, compro LPs e compactos.

Tudo é muito breve.

Como a astrofísica de Jodie Foster no filme Contato, pode parecer, a ficou, que não me ausentei mais que dez segundos.

Sei que não foi bem assim, e que não vão crer no meu relato.

Mas, então, já era o torna-viagem do meu tour tropicalista.

Noto que tenho nas mão um cartaz com um velho slogan: “Pindorama, país do futuro”.

De quando mais teria saído isso?

Na estrada do tempo, na volta, tropico em 1988.

Baldeação forçada, como ocorria sempre aos doutores Tony Newman e Doug Philips no seriado O Túnel do Tempo.

A primeira coisa que consigo distinguir na barulheira é uma canção de Cazuza que uma rádio toca.  

Anoto: ♪ “Grande pátria desimportante/ Em nenhum instante/ Eu vou te trair/ Não, não vou te trair, yeah” ♪ (Brasil, faixa do LP Ideologia).

Reencontro ao chegar não o céu de chumbo, não artistas de asas partidas, não o ranço de cárcere, não a naftalina da Marcha da Família com Deus pela Liberdade.

(Se bem que, ao contar isso aqui, posso avistar uma farsa grotesca e desmilinguida daquela Marcha nas ruas).

De volta para o futuro deparo a GELEIA GERAL BRASILEIRA que o noticiário, as redes sociais e

os ODIODUTOS anunciam.   

Agora a BRUTALIDADE oficial.

Agora a FALTA DE AR.

Agora a NEGAÇÃO.

Agora o cheiro da MORTE renegada.

AQUI É O FIM DO MUNDO OUTRA VEZ.

Chego com a memória em pandarecos.

E na maleta?

Trago amostras de Formiplac.

Carrego algum céu de anil e alguma carne seca para pôr na janela.

Mas o mais bonito de tudo: trago

♪ “(…) o lindo pendão dos seus olhos/ E a saúde que o olhar irradia” ♪.

Gratia plena.

Depois ♪ Pego uns panos para lavar, leio um romance ♪, assoviando Mamãe coragem (canção de Caetano & Torquato gravava por Gal).

A  música começa com uma sirene policial.

Serão ambulâncias de agora?

Em seguida, num contínuo, só, escuto o começo de Marginália II (de Gil & Torquato, LP Gilberto Gil, 1968):

“Eu brasileiro, confesso/ Meu sonho desesperado/ Meu bem guardado segredo/ Minha aflição”.

(O arranjo de Rogério Duprat insere uns compassos do Hino da Independência do Brasil, mas tem que prestar atenção).

O título desta carta, deste número do jornal, da JU, é o refrão dessa música:

♪ “Minha terra tem palmeiras
Onde sopra o vento forte
Da fome, do medo e muito
Principalmente da morte
Olelê, lalá

A bomba explode lá fora
E agora, o que vou temer?
Oh, yes, nós temos banana
Até pra dar e vender
Olelê, lalá

Aqui é o fim do mundo
Aqui é o fim do mundo
Aqui é o fim do mundo” ♪

Alô, meninas e meninos que ousam ler a JU, e muito me alegram com isso, alô.

Pausa.

Pausa para lembrar que Torquato Neto foi um poeta e jornalista brasileiro, grande letrista da Tropicália.

Se matou a 10 de novembro de 1972, no dia seguinte dos seus 28 anos.

Todo mundo conhece a história de Cajuína (canção de Caetano do Cinema transcendental, 1979).

Caetano lembra neste vídeo o encontro com o pai de Torquato num hotel de Teresina.

Um ou dois anos depois da morte do filho único do defensor público Heli da Rocha Nunes e da professora primária Maria Salomé da Cunha Araújo.

Caetano de Canô não parava de chorar.

Se lembra da visita à casa de seu Heli, da cajuína que beberam e da rosa pequenina que ganhou daquele pai órfão que o consolava, ao invés.

Fim da pausa.

Voltemos à música.

Torquato & Jards Macalé fizeram Let’s Play That (LP Jards Macalé, 1972).

Toco a música. O final é assim:
♪ “E eis que o anjo me disse
Apertando a minha mão
Entre o sorriso de dente
Vá, bicho, desafinar o coro dos content
es. ♪”

O poema-prefácio COMO É, TORQUATO, de Augusto de Campos, abre a coletânea Os últimos dias de Paupéria.

Termina conforme:

“VAI BICHO
nós por aqui vamos indo
naviloucos
poucos
ocos
um beijo preso na garganta
DESAFINAR
medula & osso
O CORO DOS CONTENTES
com geleia até o pescoço”

Geleia geral:

Expressão bolada por Décio Pignatari em 1963 para definir o caldo cultural ralo, o sopão indiferenciado, a frouxidão de ideias nos movimentos culturais e artísticos e os eternos contrapesos do compadrio e da covardia em Pindorama, esta roça mental.

Mais tarde, lembra Décio, sua expressão foi transformada por Torquato “num miniprograma crítico-criativo”.

Torquato também nomeou sua coluna no jornal carioca Última Hora de Geleia Geral.

Eis a frase famosa de Décio:

“Na geleia geral brasileira alguém
tem de exercer as funções de medula e de osso”.

Modernistas, concretistas, tropicalistas tentaram exercer provisoriamente as funções: MEDULA E OSSO.

MEDULA E OSSO?

NUNCA MAIS.

ATENÇÃO: voltamos ao estado amorfo e decrépito de geleia geral, agora GELEIA GERAL MOVEDIÇA.

Há no ar um MEDO de desafinar o coro dos descontentes exclusivistas radicais e suas patrulhas do pensamento.

Há uma ESTERILIDADE GERAL (NADA SE CRIA, TUDO SE MATA) na tribalização ideológica e identitária.

Odiodutos canalizam ameaças de golpe, de morte, de cancelamento.

E estamos pelo pescoço.

E não pode haver mais dúvida:

AQUI É O FIM DO MUNDO OUTRA VEZ.

O volume do Poesia pois é poesia com o autógrafo de Décio Pignatari, “depois de muito blá” num encontro Sempre um Papo, se apoia no livro de Torquato Neto num canto da redação da Jurupoca. Hoje é 13/04/2021

Helahoho! helahoho!
Yat-lô-ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô… Ghi — …?


A JU também é ciência

Infectologista da Nasa aborda cautelosamente criatura negacionista disfarçada de charuto de repolho. A CIA revelou que a trozoba foi cevada com toneladas de leite condensado, cloroquina e spray nasal israelense pelo Clã do Caveirão. Não se sabe para que serve a coisa. Desconfia-se, não obstante, que pode atender à mesma finalidade sugerida por membro do Clã do Caveirão para as máscaras anti-covid.


A propósito de Henry Borel

Especialistas estimam que para cada registro de criança morta por espancamento até os 4 anos, há outros 20 subnotificados no país. O sistema CID-10 do Ministério da Saúde dá conta de que ao menos 2.083 crianças foram barbarizadas dessa forma nos últimos dez anos, leio em reportagem de Roberta Jansen no Estadão.


Podres da democracia

A política sempre atraiu gente da espécie deste Dr. Jairinho, ou, diga-se, de Sua Excrescência Jumentíssima e seu clã. É um reduto de delinquência e distúrbio mental. Deve ser horrível para o político vocacionado conviver com esses “animais humanos”.


Animais humanos e homens

Os campos de concentração mostraram que o ser humano pode se converter em certas espécies do “animal humano”. “A ‘natureza’ do homem só é ‘humana’ na medida em que dá ao homem a possibilidade de tornar-se algo eminentemente não natural, isto é, um homem”, ensina Hanna Arendt.

*

Arendt também diz que os regimes totalitários revelaram à humanidade que existem crimes que os homens não podem punir nem perdoar. O mal absoluto, lemos em seu livro clássico, “já não podia ser compreendido nem explicado pelos motivos malignos do egoísmo, da ganância, da cobiça, do ressentimento, do desejo do poder e da covardia; e que, portanto, a ira não podia vingar, o amor não podia suportar, a amizade não podia perdoar”.

*

Trocando em miúdos, toda crença na humanidade é devaneio.


Leitores mendigos

EUA e Europa alimentam na web uma profusão de periódicos, dedicados às ideais, à cultura e ao comportamento social, com que nem sonhamos. Como mostruário, dê uma olhada na coluna à esquerda do site agregador Arts & Letters Daily. O leitor brasileiro interessado precisa mendigar farelos como tico-tico. O pouco que existe no país em geral é empobrecido pelo “engajamento” editorial à esquerda identitária.


Não faz falta

Abas como “TV e famosos”, saúde e suas variantes em torno de “viver bem” atraem o grosso da audiência dos grandes portais de informação. É da época. Cultura e arte, tais terras arrasadas, sumiram.  E quase ninguém sente falta.

*

Além disso, as raras reservas dedicadas ao jornalismo cultural abusam dos “fatos diversos” (do francês fait divers), no jargão jornalístico o que parece extraordinário, insólito. É o que hoje “dá clique”. Nada de análises, críticas, ensaios.

*

São no geral notícias sobre aparição de obras de grandes mestres e os debates sobre sua autenticidade, efemérides, o caso de uma celebridade que perdeu o gato e outra que foi a uma bacanal.


Educar e formar

À vaca fria: o jornalismo dependente do imediatismo de cliques em “fatos diversos” e repercussão nas redes sociais terá necessariamente de abrir mãos da função formadora que exerceu por muito tempo.

*

Pior para jovens que precisam de bons guias para conhecer o que vale a pena: papel da crítica especializada e do trabalho de bons editores.

*

Pobres moças e rapazes interessados em ler, e que precisam saber que a história não começou no ano passado.  

*

Infeliz de quem vive à mercê das patrulhas e perde a chance de aprender o quanto a vida pode ser enriquecida no entrechoque do pensamento com a criação ao longo do séculos.


O ex-caderno se move

O ex-caderno de ex-cultura da Folha tenta acordar? Oxalá saiba deixar de lado a porra-louquice do “vejam como estamos do lado do progressismo moral” para mirar o bom e velho jornalismo que deu à Ilustrada seu lugar ao sol.

*

Enquanto isso, o Estadão piora, e O Globo? Bem, o Globo deu bananas para o jornalismo cultural faz tempo.

*

O jornal dos Marinhos sempre terá como dever de casa promover as celebridades da Casa, a começar das subcelebridades da “famosa casa”, atração que hipnotiza a audiência por quase seis meses e domina o debate público.


No Prado com Vargas Llosa

Leio com atraso a coluna de Mario Vargas Llosa de 4 deste mês. Vicariamente pego carona no texto. Tento bispar a exposição Paixões Mitológicas, em cartaz no Prado até 4 de julho.

*

O museu madrilenho, cujo site revisito para matar saudades, conseguiu reunir pela primeira vez as seis obras mitológicas de Tiziano idealizadas como “poesias” por meados dos 1500 e que hoje estão dispersas em vários países.

*

Completam a mostra obras afins de Veronese, Allori, Rubens, Ribera, Poussin, Van Dyck e Velázquez.

*

Vargas Llosa atina que somos outra pessoa ao sair de uma exposição como esta.  Matuta sobre as profundas motivações que “levaram os seres humanos a criar uma arte que enriquece a vida e a eleva à altura dos nossos sonhos”.

*

Mas o peruano também “expõe as limitações da realidade na qual nos locomovemos, como num cárcere em que não podemos nunca expressar de maneira plena as nossas expectativas de viver mais e melhor, realizar todos os nossos desejos, e daquilo que chamamos de cultura, arte, civilização”.

*

O Nobel aproveita para contrastar os ideais da civilização com a mesquinharia das “guerras culturais” hodiernas. “[…] como parecem insignificantes o desespero com que certas minorias se empenham em exagerar suas diferenças, como se elas, que naturalmente existem, fossem o bastante fortes para destruir a solidez de uma cultura que tem suas raízes numa unidade mais profunda e visceral, da qual todos nós participamos, pois ela é muito generosa para incluir todos nós em seus sonhos”, aponta.

*

O autor de A civilização do espetáculo não perderia a chance de tascar “os desvios e traições” que dominam a arte ocidental.

*

O esforço criativo, ele diz, cedeu ao sucesso ditado por curadores e galerias endinheirados.

*

O escritor vê “artistas sem escrúpulos — palhaços no fundo — que esqueceram […] algo que é o mais importante […]: inventar formas que renovam e consolidam a tradição.”

Tiziano: A bacanal dos Andrianos. “A cena é inspirada em [no escritor grego] Filostrato (Imagens, I, 25), e se passa na ilha de Andros, tão favorecida por Baco que o vinho fluía de um riacho. Deuses, homens e meninos se unem na celebração dos eflúvios do vinho, cujo consumo, nas palavras de Filostrato, ‘torna os homens ricos, dominantes na assembleia, generosos com os amigos, bonitos e de quatro côvados de altura’. (Foto e texto: cortesia do Museu do Prado).

CLIQUE AQUI PARA ASSINAR
A NEWSLETTER DA JURUPOCA.


50 anos de uma oração à paz (vídeo inédito)

Tudo o que estamos dizendo é: deem uma chance a paz.

*

Give Peace a Chance, pois é, tornou-se uma oração ou hino pela paz, contra a Guerra do Vietnã. O vídeo abaixo foi postado nessa terça-feira (13/04).

*

A gravação possivelmente é a mais antiga dessa música. Ao lado de Yoko Ono, Lennon ensaia a canção no hotel Sheraton Oceanus, nas Bahamas. Era 25 de maio de 1969.

*

Alguns dias depois, dia 31, Give Peace a Chance seria apresentada ao público no hotel Queen Elizabeth, em Montreal, no segundo Bed-in, ou “cama da paz”, meio que o casal adotou para dar seu recado em coletivas de imprensa. O primeiro Bed-in ocorrera em Amsterdã, em março do mesmo ano, durante a lua de mel do casal.



Ajude a Jurupoca

Você costuma ler este jornal, que é aberto e gratuito, e nele encontra algum valor?

*

Permita-me então vender meu peixe: considere contribuir por meio de doação ou assinatura espontânea.

*

Clicando aqui você verá como pode fazer isso.


Um acontecimento

André Mehmari e Ná Ozzetti – Piano e voz, espetáculo de 2006 que se seguiu ao CD de um ano antes, é um dos maiores acontecimentos artísticos desde século. Pois a gravação do show acaba de reaparecer no Youtube em versão remasterizada. Os dois artistas, com carreiras nocauteadas pela pandemia, pedem em troca “ingressos espontâneos”, a quem queira e possa colaborar.


Salve o homem

Morreu em 4 de outubro do ano passado, aos 87 anos. Quanta saudade. O Instituto Moreira Salles colheu em vídeo depoimentos sobre o escritor, crítico e jornalista Zuza Homem de Mello. Poucos como Zuza ensinaram tão bem a ouvir música, e conseguiram instilar conhecimento e paixão pela música popular brasileira e pelo jazz. Ney Matogrosso, João Bosco, Maria Bethânia e Zé Renato aparecem no documento. A produtora cultural Ercília Lobo, mulher de Zuza, fala do entusiasmo que ele dedicava ao trabalho e, nos últimos tempos, à Playlist do Zuza, programa da Rádio Batuta que teve 157 edições semanais.


Nove vezes Billie outra vez

“Ouvi-la cantando [dói], mas também provoca encantamento”, diz Luiz Fernando Viana ao apresentar nove gravações de Billie Holiday. O programa da Rádio Batuta é de abril de 2015, em seu centenário de nascimento. Celebrar a cantora, cuja história marcada por tragédias terminou aos 44 anos, é tarefa de uma vida para quem gosta de jazz. “Selecionamos nove torch songs, músicas de destruir o coração, aquelas que Billie sabia interpretar como ninguém”, diz Viana.



A MPB NÃO PRECISA DO PORNÔ PARA TRANSAR

Muito antes do funk e do pagode pornográficos, antes do chorume supersônico uivante e dançante, a “elitista” MPB era capaz, ainda é um pouco, de falar de sexo com recursos mais ou menos poéticos, conforme o repertório cultural e o talento de um compositor.

*

Sempre houve refinamento, elegância e atestado de letramento.

*

Você podia escutar Nelson Gonçalves cantar Quem há de dizer (Alcides Gonçalves e Lupicínio Rodrigues), sobre o dilema de alguém tirar ou não a amada da zona e levá-la par um lar, ou Roberto Carlos, em Detalhes, agourar a ex na cama com outro cabeludo, quando ela, “desesperada”, vai “tentar até o fim”.

*

Podíamos até, veja a leitora, veja o leitor, pegar uma brincadeira de dois poetas franceses, o Sonnet du Trou du Cul, de Rimbaud e Verlaine,  e, sem perder a linha, compor uma canção de sexo explícito gay chamada Soneto-do-olho-do-cu.

*

Toda pornografia denuncia uma falta de recursos, quando não mera perversidade.

*

A pornografia é uma traição em forma e conteúdo a uma arte popular nascida como lenitivo e celebração da vida. Os inventores do blues e do jazz, do choro e do samba prescindiram de educação formal para fundar sua arte. Graças a eles essa tradição pôde ser elaborada e recriada, desde os morros aos conservatórios.

*

Mas nunca antes essa tradição havia sido sepultada por desprezo e ignorância como agora.

*

Mas chega de blá, à lista da semana.

1 — Por baixo (Tom Zé)

Do álbum Canções eróticas para ninar, lançado por Tom Zé em 2016 com “urgência didática”. A gravação do autor é ótima, mas a outra versão que aí vai com Roberta Sá e André Mehmari é do balacobaco. A letra fala por si.

Por baixo do vestido
A timidez
Baixo da timidez a seda fina
Baixo dela uma nuvem de calor
Baixo desse calor
Um perfume da China

Por baixo do perfume a rede elétrica
Baixo da rede elétrica os pelos
E por baixo dos pelos as estradas
Que conduzem nos fios
Os teus arrepios
Manifestos em ois! e uis! e ais!
Lá aonde a razão não chega mais

E por baixo de tudo
O que me deixa mudo,
A tua franqueza toda nua,
Que se veste de luxo

Em pele crua

Breque: Veste tudo outra vez


2 — Nosso estranho amor (Caetano Veloso)

Do álbum Olhos felizes, de Marina Lina (Ariola, 1980), em sensualíssimo duo com Caetano. O amor livre sem a sombra do ciúme, em que cada qual se deleita com quem for. A canção deixa o corpo falar por si desse ideal erótico.


3 – Rapte-me camaleoa (Caetano Veloso)

Conta Caetano que a música foi feita para Regina Casé. Está no encarte Sobre as letras, do livro Letra só. Os dois namoraram um pouco. Regina, que fizera a personagem Camaleoa numa peça do grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, era de uma beleza excruciante. As histórias sobre as letras de Caetano de Canô podem ser ouvidas aqui. Essa tem achados como a rima bilíngue em “rapte-me, adapte-me, capte-me, it’s up to me”, além desta cena explícita: “Leitos perfeitos/ Seus peitos direitos/ Me olham assim/ Fino menino me inclino/ Pro lado do sim”. Do álbum Outras palavras, de 1981.


4 – Vera gata (Caetano Veloso)

“Puro carinho e precisão/ Eficiência, técnica e paixão”, diz a letra, e o compositor imodesto continua: “E teve que ser rápida a transação/ Pois já nos chamava o ônibus/ (…)/ Tivemos tudo, não faltou nada/ E ainda a madrugada nos saudou na estrada/ Que ficou toda dourada e azul.” No livro citado Caetano de Canô diz que a letra é “totalmente autobiográfica, e declara seu caso com uma então menina Vera Zimmermann. Outra transa musicada de Outras palavras.


5 – Como dois animais (Alceu Valença)

Valença, nosso grande clown, ensina como se pode chegar às vistas de fato musicalmente sem escorregar no chulo, e como gozar a representação do erotismo em melodia e palavra: “Foi mistério e segredo/ E muito mais/ Foi divino brinquedo/ E muito mais/ Se amar como dois animais”. Do LP Cavalo de pau (1982).


6 – Caso sério (Rita Lee e Roberto Carvalho)

Em 1980, dois românticos de cuba-libre se achavam “empapuçados de amor numa noite de verão” entre um “misto quente” e um “sanduíche de gente”.


7 – Valsinha (Chico Buarque e Vinícius de Morais)

Devia ser pulsações adolescentes, mas recordo um amigo comentar, ao ouvir a faixa rodar em Construção (1971): “Mas que meterola é essa música, hein?”. Aludia esse amigo à recompensa do casal por tanta espera, de que fala a letra, quando a cidade inteira se iluminou com “tantos beijos loucos/ Tantos gritos roucos como não se ouvia mais”. O mundo tinha mesmo que amanhecer em paz.


8 – O meu amor (Chico Buarque)

Lúcia (Elba Ramalho) e Teresinha (Marieta Severo) disputam a preferência de Max Overseas (Otávio Augusto) em cena tórrida do espetáculo teatral A Opera do malandro, musical de Chico Buarque dirigido por Luís Antônio Martinez Corrêa, de 1978. Chico adaptou o clássico de John Gay (Ópera do mendigos) e Bertold Brecht e Kurt Weill (A ópera dos três vinténs). Geni e o Zepelim, que podia estar nessa lista, é da mesma peça.


9 – Mar e lua (Chico Buarque)

Das mais belas canções populares já compostas em qualquer idioma. O “amor proibido” entre duas mulheres é retratado em tintas simbolistas. A melodia evoca uma pintura — a marinha de uma cidade distante do mar e sem luar.  No entanto uma das amantes “andava tonta, grávida de lua”, e outra “andava nua, “ávida de mar”. Ouço novamente as gravações de Mônica Salmaso, Toninho Horta, a muito marcante de Simone (menos a de 1980 que a de 1993) mas a versão autoral de Chico Buarque, do LP Vida (1980), ainda é o padrão ouro dessa composição escrita para a peça Geni. O arranjo de Francis Hime cria um fundo precioso de cordas que realça a atmosfera onírica da canção.


10 – Soneto-do-olho-do-cu (Arthur Rimbaud e Paul Verlaine, adaptação de Zé Celso Martinez Corrêa e Marcelo Drummond)

Sonnet du Trou du Cul, pastiche escrito pelos namorados (que por pouco não se mataram) Arthur Rimbaud e Paul Verlaine, ganhou tradução do escritor Marcos Silva. Pastiche pois se trata de uma imitação do estilo de outro poeta francês, o parnasiano Albert Mérat. A versão adaptada por Zé Celso Martinez Corrêa e Marcelo Drummond recebeu música de Zé Miguel Wisnik, tal Soneto-do-olho-do-cu, assim hifenizado, e conta de seu primeiro álbum, lançado em 1992. Não, nada de citação dessa letra num jornal familiar.

Até mais ver, e obrigado pela leitura!


CLIQUE AQUI PARA ASSINAR
 A NEWSLETTER DA JURUPOCA.


QUE TAL CONTRIBUIR COM A JURUPOCA?
FAÇA
UMA DOAÇÃO OU ASSINATURA
MENSAL ESPONTÂNEA
.



 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s