O primeiro drinque do dia

Muito boas tardes!

A edição da Jurupoca desta semana exalta criticamente (diga-se) os prazeres do vinho e (latu sensu) da manguaça.

Mas que coisa!

O editor se esqueceu de puxar brasa para a sardinha do redator e de seu livro de viagem abaixo propagandeado.

Pois o livro tem um capítulo devotado a tais prazeres dionisíacos.

É o nono capítulo, intitulado Vinhos à parte.

Inclui o tópico abaixo, que vai aqui à guisa de aperitivo, nightcap mas, afinal, como complemento ao presente número da Ju.

Interior da Taberna La Favorita, em Burgos. Foto do autor

Foto do alto: Recipientes de vinho históricos, acervo do museu da Dinastia Vivanco, na Rioja basca, Espanha


NOVO: VEJA A LISTA DE LINKS DE TODAS AS EDIÇÕES DA JURUPOCA


O primeiro drinque do dia

O porto branco seco é um aperitivo divino, assim como um jerez – fino ou manzanilla. Sem deixar de fora as aguardentes do vinho. Grappa (Itália), bagaceira (Portugal), Marc (França), Orujo (Espanha), Rakia (Bálcãs) e boa companhia compõem o fascinante mundo dos espíritos etílicos; mas, por favor, beba com moderação!

O trago, a propósito, é um dos meus ritos de viagem. Sou cafeinólatra, mas gosto de alternar expressos e um copo para me refrescar, brindar ou pontuar minhas andanças literárias comentadas no capítulo seguinte.

 A bicada protocolar do primeiro drinque do dia, ou aperitivo, tem longa tradição. Hoje é contraposta pela vida moderna: o excesso de trabalho, as obrigações de toda ordem, a eterna falta de tempo, a obsessão com a saúde.

Sentir que o tempo me falta na viagem parece absurdo. Melhor demarcá-lo, se possível conforme o costume local. O que vai ser? Um fino, um Sambuca, uma Fernet branca, um Porto seco? Algo mais forte, pois está muito frio? Talvez um conhaque, um Marc? Ainda é cedo? Quem sabe um chope, uma pinta de Guinness, um vinhozinho qualquer? Cada cultura tem sua bebida nacional.

Tradicional à rotina de gente maior de idade, o chupito bem dosado suaviza a passagem das horas. A volta completa de um dia de viagem pode incluir o aperitivo antes do almoço, o copo do fim da tarde e, não sendo demais para o leitor comedido, um nightcap antes da cama.

Ressalve-se que no dia a dia do mundo atual tacharão de alcoólatra quem comungar desse simples ritual. Durante a viagem, onde a vida, como a vejo, é mais verdadeira, e, em grande medida, estamos a sonhar, que o trago seja então uma licença poética, se assim se queira dele desfrutar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s