• Antônio Siúves, 49, é jornalista há 24 anos, com atuação na reportagem, edição de ciência, educação, cultura, chefia de redação, crítica cultural, e, desde 2006, comunicação institucional e internet. Ajudou planejar e definir coberturas inovadoras nos veículos onde trabalhou. É poeta e escritor bissexto.

CURRÍCULO 

­2010 – Uma seleção da antologia inédita de poemas Quem Escreve Nunca Alcança é publicada no Nº 1.331 do Suplemento Literário de Minas Gerais, que circula em 22/10.

  • Entre junho e o início de outubro, comanda um dos núcleos de comunicação da coligação Somos Minas Gerais, ligado à propaganda eleitoral de Aécio Neves e Antonio Anastasia, candidatos ao Senado e ao governo de Minas pelo PSDB. Coordena, sob direção de Flamínio Fantini, equipe de 16 jornalistas responsáveis pela atualização de sites, blogs, pesquisa e difusão da informação em mídias sociais.
  • Em maio, viaja ao Piemonte, a Veneza, Milão e Berlim. Reúne notas para um livro de viagem.
  • Até o final de abril, atende como cliente preferencial à Pesquisadoc, nome fantasia da empresa do jornalista Flamínio Fantini Pereira, que é diretor de informação da LODUCCA.MPM.
  • Coordena em Belo Horizonte a produção do portal tancredoneves.org.br e colabora na organização de outros eventos comemorativos do centenário do ex-presidente Tancredo Neves.

2008-2009 – Realiza uma série de atividades subsidiárias na coordenação do escritório de Flamínio Fantini em Belo Horizonte, entre as quais pesquisa, formação e gestão de bancos de dados em intranet e extranet (Minasdoc), marketing político, monitoramento da web e clipping. Entre os clientes da Pesquisadoc estão o Governo do Estado de Minas Gerais, a MPM Propaganda e a Federação das Indústrias de Minas Gerais.

  • Prepara a coletânea de poemas Quem Escreve Nunca Alcança. O livro é bem avaliado pelo poeta, escritor e jornalista Sebastião Nunes, em artigo publicado no jornal O Tempo (02/05/2010), com o título Antônio Siúves o sentimento irônico do Mundo.
  • Integra a equipe de edição do livro O Herval que ficou em nós, homenagem ao jornalista Herval Brás, aos dez anos de seu falecimento, lançado em dezembro de 2009.
  • Em janeiro de 2009, viaja Portugal. Percorre o Alto Douro e visita o Porto, passa por Coimbra e permanece em Lisboa. Toma anotações para o projeto de um livro de viagem.
  • Participa, como editor do site oficial e coordenador do núcleo de informação, da campanha de Marcio Lacerda (PSB) à Prefeitura de Belo Horizonte, entre julho e outubro de 2008.
  • É co-editor do jornal “Notícias do Zé”, tablóide de 64 páginas em edição luxuosa reunindo depoimentos sobre a trajetória do ex-ministro e embaixador José Aparecido de Oliveira, lançado em julho de 2008.
  • Abre, em setembro de 2008, a empresa AS – Produção e Edição de Textos, com a qual presta serviços de jornalismo e comunicação institucional.
  • Em março de 2008, viaja a Londres e Paris, onde se detém no circuito de pequenos museus, especialmente o Picasso e o Musée National du Moyen-Age.

2007 – De julho a dezembro, na RSC Consultoria, empresa de Ricardo Campos, coordena uma equipe de dez jornalistas que executa para a Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado de Minas Gerais a atualização e padronização dos serviços do portal Minas On-Line.

  • No primeiro semestre, participa, como ouvinte, do mestrado no departamento de Letras da UFMG.
  • Prepara os originais do romance Meu Boi Morreu – Cantos de Primavera.
  • Escreve, com Nísia Werneck, uma história da centenária Drogaria Araújo.

2006 – Em 21 de dezembro deixa O Tempo, interessado em se reciclar profissionalmente. Nos três anos anteriores, chefia a secretaria de redação.  Trabalhou 11 anos no jornal que ajudou a criar e no qual também exerceu os cargos de repórter e editor de cultura, crítico de cultura e mídia. Na secretaria de redação, procurou projetar e desenvolver coberturas inovadoras nos campos da saúde, ciência, tecnologia e educação.

2005 – Em outubro, visita Paris, Florença e Roma, uma turnê cultural por excelência.

2003 – Assume a Secretaria de Redação dos jornais O Tempo, Pampulha e Super Notícia. Chefia e coordena todo o processo de edição e produção dos três veículos.

1997 – É promovido, em setembro, a editor-adjunto e, em outubro, a editor do Magazine. O caderno se torna o principal destaque de O Tempo: obtém repercussão nacional, premiações e estimula a requalificação do jornalismo cultural feito em Minas.

  • Mora em Washington, D.C, em outubro, e visita Nova York, num período de intensa reciclagem cultural, observações e anotações sobre a imprensa norte-americana.

1996 – Em junho, é convidado pelo jornalista e escritor Marco Lacerda a integrar uma das equipes de criação de O Tempo – novo diário mineiro que é preparado para ser lançado a 21 de novembro. Participa ativamente da criação do Magazine, sendo autor ou co-autor de várias seções e conceitos incorporados ao caderno. Atua como coordenador e editor responsável pelas páginas temáticas, entre elas a de Livros.

1992 – Em 30 de março, nasce Otávio Laerte, seu filho com a jornalista Rachel Botelho, com quem vive.

1991 – Escreve para as revistas Veja e Imprensa. Em 25 de novembro, retorna ao Hoje em Dia. Nos quatros anos seguintes, trabalhará no caderno Cultura como editor-adjunto e coordenador de edições especiais e da seção Livros, que é refeita e ampliada. Escreve uma crônica semanal.

1990 – Na Epamig – Empresa de Pesquisa e Agropecuária de Minas Gerais, exerce o cargo de editor-assistente das revistas Daphne e Informe Agropecuário.

1989 – Demite-se do Hoje em Dia. Colabora com Veja em Minas Gerais e publicações nacionais.

1988 – Participa da reforma do Diário de Minas e do lançamento e da implantação do Hoje em Dia. É repórter especial, editor de Cultura e de Ciência e Educação dos jornais DM e do renovado Diário de Minas.

1984-1987 – Faz Comunicação Social (Jornalismo) na PUC Minas. Em junho de 1986, ainda estudante, é repórter contratado do Diário de Minas.

1978-1983 – Forma-se técnico em química pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet), a antiga Escola Técnica, depois de receber o ensino fundamental em escolas públicas de Vespasiano e Pedro Leopoldo. Trabalha nas indústrias de cimento Soeicom e Ciminas (hoje Holcim) nas áreas de análise e controle de qualidade e produção.

Antônio C. D. Siúves

Belo Horizonte, 27 de Outubro de 2010