Oração ao pós-humano

Ó, Grandessíssimo Doutor, Lâminas de massa grisada expõem meu espírito plástico refeito e afeito às curvas dum Guggenheim de Bilbao Do pós-tudo ao pós-humano, da síntese ao biossintético, decanto Teu tesouro nanométrico a ansiar pela vinda do emplasto que há de recauchutar telômeros, reeducar proteínas e sinapses sem o ranço da eugenia, afinal, E, Naturalmente, […]

Read more "Oração ao pós-humano"

Ruas de Belizon

Ruas de Belizon Connoisseurs Há comida a quilo e quilate nas ruas cheias de connoisseurs, e moças polilíngues nos coffe shops Charla Meninos com caixetas luzidias ouvem o mundo esfriar no chat e recebem o viático do Advento Carrões SUVsapões —Landaus de amanhã— atestam a aventura do enriquecer no faroeste chinês das esquinas.

Read more "Ruas de Belizon"

Um brinde a Ana Akhmátova

Lendo “Pós-Guerra – Uma História da Europa desde 1945”, de Tony Judt (Objetiva, 2007), deparo este trecho (pág. 205) no final do capítulo sobre as desgraças perpetradas pelo stalinismo, entre as quais os expurgos e os célebres julgamentos fabricados: “Os principais inimigos [do “povo”] eram supostamente os camponeses e os burgueses. Mas, na prática, os intelectuais costumavam […]

Read more "Um brinde a Ana Akhmátova"

Lobotomias

O que é ideologia, opúsculo de madame Marilena Chaui, é a literatura mais deformante que pode haver. Algumas vítimas desse flit paralisante mental babam até a hora da morte, incapazes de procurar o conhecimento de forma autônoma e pensar por conta própria. Os meninos o leem e, Shazan!, desvelam o mundo real encoberto pela aparência […]

Read more "Lobotomias"