Estaremos mais ignorantes e narcisistas?

Estamos todos nus na era da internet, diz a El País o jornalista britânico Andrew Keen, de 56 anos, atração na Feria do Livro de Madri com seu “A Internet não É a Resposta”, que me deu vontade ler.

Há no mundo uma crescente literatura crítica à internet e seus produtos, mas ainda escassa no Brasil.

internet em madrid

Keen procura sustentar em sua obra que a internet “incrementa monopólios, desigualdade, narcisismo e vigilância”:

1. O Vale do Silício e seus gurus se aproveitaram de todos nós para enriquecer com promessas de um mundo melhor, mais livre e democrático (ele cita no livro uma pesquisa do instituto Pew que mostra que 90% dos norte-americanos consideram que a internet foi benéfica para sua existência).

2. A internet está agravando a desigualdade entre ricos e pobres.

3. No longo prazo, haverá uma gigantesca crise mundial de desemprego com as máquinas inteligentes que estão sendo criadas e serão capazes, inclusive, de substituir a classe média em tarefas mais especializadas;

4. Vivemos uma economia de vigilância, na qual somos o produto, convertidos em dados que Google (cujos executivos assumem que almejam “nos conhecer melhor do que nós mesmos”) e Facebook vendem a seus clientes para fazerem publicidade.

5. Estamos mais mal informados, ignorantes e narcisistas.