Adeus a Trieste

Ciao. Oito e meia. O sol
Reassume e repinta
O Canal Grande. Paro
De empurrar a mala
Rumo à Centrale. Noto
A sombra longilínea que se alça.
Como um galho ao vento,
O chapéu verde à mão oscila
Por si.

Breve diário da manhã de ontem

Piemonte

Langue, Piemonte, maio de 2010. Foto: Antônio Siúves

 

7h50 — Nem só de Zica e pestilência do mar vive a imprensa internacional no Rio. Termino no El País a leitura de uma longa matéria, fruto da mais antiga das pautas jornalísticas. A história de mulheres que estão no rio para se prostituírem durante a Olimpíada e, com o suor da labuta, juntarem algum para a realização de um “sonho agridoce”, como diz o título da edição brasileira do diário espanhol.

Uma mulher tem filho para criar, outra não tira o bastante no emprego, uma terceira diz que o mais vetusto dos ofícios é um vício. Ela não conhece ex-puta, observa; cedo ou tarde a maioria volta ao mercado. O final é de chorar:

Una semana después de encontrarlas por primera vez, la convivencia y las conversaciones con el grupo revelaron algo más en común entre ellas: cuando el ruido de los clubes se apaga y el rastro de alcohol y el sexo se pierde por el desagüe de la ducha, lloran en silencio bajo el edredón.

Para ler o texto em português, vá por aqui.


8h — A Folha de S.Paulo segue a fazer seu marketing, a que chama “pluralismo” —no qual a qualidade dos colaboradores nem sempre é decisiva— e a cabalar com seus leitores da esquerda. Estreia a colunista Vanessa Grazziotin, que soube aproveitar como uma Beth Davis em A Malvada seus dias de estrelato no julgamento do impeachment.

A senadora veio se juntar ao escrete de bombordo do jornal: André Singer, Vladimir Safatle, uma economista ilegível de Campinas, um humorista sem graça, todos, intelectualmente, meia-tigela, além daqueles, vários, que não ousam sair do armário ideológico, ou seja, assumir sua óbvia simpatia pelo lulopetismo.

A direita está muito melhor representada no jornal, em cérebro e estilo. Grazziotin carece dois dois. Eis um parágrafo do seu debute, que fala por si:

Preliminarmente, registro minha satisfação em colaborar com um dos mais tradicionais jornais do país que, tal qual o meu partido, o PCdoB, se aproxima de um século de existência. Ninguém sobrevive tanto tempo sem méritos.


8h50 – Saio para andar e cruzo com um bem-te-vi com um grande tufo de folhinhas de trevo no bico. É antes de tudo um forte, reflito. Os pardais desapareceram da minha vizinhança e ninguém deu pela notícia.

Sigo para sacar algum no meu banco. Na porta da agência vejo o mesmo ambulante de há várias semanas, com exemplares do diário do qual vende assinaturas e uma pilha de panelas fajutas ainda em caixas. Acaba de achacar mais um velhinho às voltas com a pensão e, muitas vezes, com os primeiros sintomas do Alzheimer — quando se tornam vítimas preferenciais de certos mascates e gerentes de banco.


9h30 – Primeiro expresso na Savassi, depois do café que eu meu mesmo coei. O Globo discute em editorial o legado dos Jogos para o Rio e conclui que a cidade está mais para Barcelona —modelo virtuoso na história olímpica de proveito para as cidades-sede— que Montreal —referência negativa.

A despeito dos erros, diz o jornal, a nova linha de metrô, a malha de BRTs, o VLT no Centro e a revitalização da área do Porto são obras positivas e transformadoras. Cita também um estudo da Fundação Getúlio Vargas que aponta não sei que ganhos sociais para a cidade durante a execução do projeto olímpico.

Nem uma palavra sobre a malograda despoluição da baia. O Rio e o país se acostumaram à merda.

É fácil prever que o Brasil chegará aos primeiros lugares no quadro de medalhas olímpicas muito antes de poder celebrar a universalização do saneamento básico — um bem fundamental da civilização a que, hoje, menos da metade dos brasileiros têm acesso.


10h20 – Chego à Casa Fiat e conheço a nova Piccola Galleria, onde há uma exposição de fotógrafos italianos do Piemonte. Detenho-me nas obras de Sérgio Fea e seus enquadramentos de vinhedos em La Morra, na província de Cuneo, e de Marco Villa, que mostram a região do Langue diante dos Alpes italianos.

Retomo os dias que percorri aquela terra na primavera, com amigos. Sinto o ar puro, diviso as ondulações suaves do relevo e me integro à calma sob a luz que imprime na memória uma espécie de devaneio, como o sabor do excelente vinho rosado da terra. A foto acima é um registro de minha viagem.


10h40 – No café da Casa Fiat, o segundo expresso e a sexta xícara da manhã. E ainda há quem fale mal da rubiácea.

Releio páginas finais de Retrato do Artista Quando Jovem, de James Joyce, do diário de Stephen Dedalus. “O passado é consumido no presente e o presente é vivido somente porque trás consigo o futuro”, anota o artista, pouco antes de lançar-se no mundo, com o célebre registro: “Sê bem-vinda, ó, vida! Eu vou ao encontro, pela milionésima vez, da realidade da experiência, a fim de moldar, na forja da minha alma, a consciência ainda não criada da minha raça”.

Retomo a leitura de O Globo, que, ousadamente para um diário no Brasil de hoje, dá a capa do seu Segundo Caderno ao lançamento de um livro de poesia, ainda mais em uma semana na qual o jornalismo cultural brasileiro comemora um novo produto Harry Potter, agora uma peça de teatro. Ou nem tanto ousado assim, afinal, o moçambicano Mia Couto tornou-se uma estrela da Companhia das Letras. O jornal pinçou dois poemas da coletânea, um deles é

A ADIADA ENCHENTE

Velho, não.
Entardecido, talvez.
Antigo, sim.

Me tornei antigo
porque a vida,
tantas vezes, se demorou.
E eu a esperei
como um rio aguarda a cheia.

Gravidez de fúrias e cegueiras,
os bichos perdendo o pé,
eu perdendo as palavras.

Simples espera
daquilo que não se conhece
e, quando se conhece,
não se sabe o nome.


O SOM DE ONTEM, ANTES DO ALMOÇO

De volta ao escritório, navego pelo Spotify e descubro esta grata gravação da tradicional canção Dream a Little Dream of Me, dos anos 1930, com o grupo americano Pink Martini em seu disco de 2014 com os cantores von Trapps, e me lembro do bem-te-vi valentão meu vizinho.

Um brinde ao Bloomsday

O aniversário do dia no qual se passa a epopeia popular de Leopold Bloom deve ser festejado publicamente ou com alguma leitura e um bom trago de uísque


Festejar o Bloomsday é reverenciar a obra de Joyce,
a literatura, a beleza, os vivos e os mortos


 

“Naquele dia, você fez de mim um homem”, o escritor irlandês James Joyce (1882-1941) disse à mulher, Nora Barnacle, lembrando o primeiro encontro do casal.

Bloomsday

Foto: reprodução da internet

Em 16 de junho de 1904, tal era o dia, transcorre o romance Ulisses, que, como todo mundo sabe, é um pináculo do modernismo literário e da história da literatura.

Tal é o Dia de Bloom, o Bloomsday, ou de Leopoldo Bloom, judeu remediado de classe média, captador de anúncios, inteligente, sensível, imaginoso, xará do herói grego da epopeia de Homero, em cuja estrutura Joyce arquitetou sua própria história, pau a pau, transformando a literatura, revirando as artes e convertendo a vida de qualquer leitor que tenha enveredado por suas páginas.

O Bloomsday, hoje, deve ser festejado publicamente, em um dos eventos programados em Dublin, a cidade onde o Ulisses acontece, refundada por Joyce, e no mundo inteiro, ou simplesmente com alguma leitura do livro e um bom trago de uísque.

Festejar o Bloomsday é reverenciar a obra de Joyce, a literatura, a beleza, os vivos e os mortos.

 

 

O diário da sexta

A carta-compromisso de Dilma, caipirismo artístico,
marketing esportivo, Joyce e Knausgård, Regina Machado, Nana Caymmi e João.


VENEZUELÃO
Dilma prepara uma carta-compromisso para restaurar seu governo, dirigida a “movimentos sociais”, com a promessa de entregar tudo que a esquerda quer. Esses crentes não se darão por satisfeitos enquanto não cumprirem o ideal de transformar o Brasil num imenso Bananal, isto é, num Venezuelão.

HOMENS E MARCAS
No Valor, um longo texto sobre o negócio da conversão de atletas de alto nível em marcas publicitárias e o dinheiro que isso dá. Pode haver leitura mais chata? O reino de Muhammad Ali não era desse mundo. Aliás, estes “homens-marcas” em geral envelhecem sendo adolescentes, incultos e mimados. São incapazes de dizer algo relevante. O esporte tornou-se insuportável. Hoje sinto falta de Sharapova, que bebeu algo que não devia, pobre dela.

CAIPIRISMO ARTÍSTICO
Kleber Mendonça Filho, Sônia Braga —que não é mesma desde a cena do telhado em Gabriela, lá se vão 40 anos— e outros lançaram moda em Cannes. Segundo a Folha de S.Paulo, protestos contra Temer espelham-se pelo país e os quatro cantos do mundo. Citam três ou quatro nomes, dos quais nunca ouvi falar, todos provavelmente pendurados nas tetas da Lei Rouanet.

Entre os exemplos levantados pela Ilustrada, onde você procura e acha a mais autêntica “cultura do PT”, diariamente, estão dois coreógrafos e seus balés, que se manifestam contra Temer na Alemanha. A bobice sem tamanho vale por algo como, ó, vejam como somos engajados e conscientes, da esquerda bacana, enquanto o país é tomado por bárbaros de direita, depois de expulsarem o povo do poder.

GALILEU PROVA
O Brasil está morto culturalmente, e no entanto ele se move, como provam o Galileu e a guerra pelo MinC. Ninguém sabe direito o que faz ou para que faz, além de assegurar suas prebendas e patrocínios por meio do dinheiro público.

Babelia

RETRATO DE JOYCE POR KNAUSGÅRD
Estamos perto de mais um Bloomsday  e o Babelia do El País, único suplemento cultural que leio por gosto, celebra amanhã o centenário de Retrato do Artista Quando Jovem, com um artigo do escritor norueguês Karl Ove Knausgård, de quem a Companhia das Letras lança este mês Uma Temporada no Escuro – Minha Luta 4. Há um trecho do livro na Piauí.

TRUQUES DE SOBREVIVÊNCIA
Um dos meus truques para olhar para cima e não deixar a peteca cair é ouvir Regina Machado cantar Ich Will Meine Seele Tauchen, este pequeno lied  de Robert Schumman e Henrich Heine.

Outro truque que não falha é rodar Nana Caymmi em Segue o Teu Destino, a ode de Ricardo musicada por Sueli Costa, do álbum A Música em Pessoa.

JOÃO, 85
Fiz estas notas ouvindo o programa da Radio Batuta sobre João Gilberto, 85 anos hoje. Uma bela seleção de Luiz Fernando Vianna com o repertório de João emparelhado a versões anteriores de outros intérpretes.

TRUQUE REGINA MACHADO

 

TRUQUE NANA CAYMMI