Um jornal para chamar de seu, mesmo que seja o meu

Jurupoca_58 — 12 a 18/2/2021 — Ano 2

Uma vista do Belo e do seu céu desde a janela da redação da Ju, na tarde de terça-feira (9)

Opa! Vamos apear? Ora, vamos!

Aquilo que não havia, acontecia.

Ler João Guimarães Rosa é como ler a grande mitologia, só que nossa, daqui, nosso linguajar, graça cultural de uma ex-colônia portuguesa: tudo (e)feito mitológico agregado à grande tradição formadora.

Se o povo é o inventalínguas, Rosa é seu reinventor, com uma pontuação e sintaxe só dele, uma música própria e sedutora, capaz muitas vezes de fazer um leitor levantar do chão para cair em si.

A síntese dessa grandeza, por Caetano, nunca será suficientemente avultada, ou distinguida, ao menos até Língua se tornar, como defendo, um hino ritual introdutório das lições do idioma: “Gosto do Pessoa na pessoa/ Da rosa no Rosa”.

A vida podia às vezes raiar numa verdade extraordinária.

Em verdade vos digo: o Brasil se prestasse teria seu Dia Grande sertão: veredas, seu Dia Primeiras estórias, seu Dia Sagarana.

Seriam nossos Bloomdays, o 16 de Junho dos irlandeses, adotado em toda parte no culto a James Joyce e seu Ulisses, para ufanarem de autor e obra com propósito e justeza.

O português rosiano ou machadiano ou drummondiano não iam mesmo ganhar o mundo, sendo ramo da última flor do Lácio, tão parcamente falada pelas gentes. Que ganhássemos o Brasil, então.

Sonho: teríamos circuito turístico, caminhada, celebração escolar, festa em bares, em teatro. Veríamos filmes, ouviríamos palestras e leríamos juntos páginas das obras para nos deleitar e sentir como civilização no rumo certo, ainda que prometida, em vez de uma gente culturalmente tonta e perdida, a perder tempo e espaço falando de BBB, que importa lhufas.

Assim no fechar-se com o jogo, sonso, no me iludir, ele enigmava. E, pá:

Ilustro estas linhas, como quem usa iluminuras ricas e raras, com grifos de meu repasse pelo Primeiras estórias; não importa de onde, de que conto vem cada excerto do livro publicado em 1962: 60 anos ano que vem!

É magnífico: um parágrafo, dois parágrafos, três, e logo a costura inconsútil do inventor, e não há mais como abandonar o barco.

É como penetrar uma floresta virgem, uma natureza intocada, é como penetrar a desnatureza humana, uma Amazônia de arte.

O cume desse livro, e um dos cumes de todas as verdes serras do Rosa é o conto A terceira margem do rio, exemplo acabado da definição de Calvino de clássico: “Um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer”.

Reli duas vezes e treli, a ver e ouvir uma aula de Zé Miguel Wisnik aberta na internet (aqui em fase dominante de professor de literatura de USP, ainda que o músico e compositor intervenha).

ZMW vai ler o conto, destacar frases, passagens, marcos, contextualizar, perspectivar, ensinar e, no final, depois de frisar a impossibilidade de se decifrar, de uma compreensão acabada da história, vai pontuar, para usar o verbo usado por ele, relações que iluminam a leitura do bom leitor.

A literatura, apois, é reescritura e reinvenção desde a primeira linha, a primeira fabulação, o primeiro sopro narrativo que diferenciou de vez (e segue a diferenciar) nossa espécie no tronco símio.

ZMW sugere um texto de Freud, Luto e melancolia, para nos ajudar a pensar o personagem do filho que fica, quando a família deixa seu rincão, que busca e parece não conseguir elaborar a desaparição de “nosso pai” e tocar sua vida.

Melancólico, diz Freud, é quem nunca acaba, para lá das deixas do tempo, a ruminação que o luto representa, quem não elabora a falta no olvido necessário para seguir remando.

Depois, sugere um volteio sobre o mito grego de Caronte, um exame desse barqueiro do Hades, como origem possível da ideia rosiana.  Ele, Caronte, é o encarregado de atravessar as almas pelos rios que dividem o mundo dos vivos do mundo dos mortos, Estige e Aqueronte.

O professor podia ter lembrado também, como me ocorreu, inspirado nele, que no costume grego clássico punha-se uma moeda sobre a testa ou a boca do morto, uma paga a Caronte por seu serviço, ou, se quisermos, ao enlutar/esquecer de quem permanece no mundo de cá.

Pois, como é sabido, “o tempo leva uma sacola nas costas onde carrega óbolos para o oblívio”.

É o filho mais novo quem deixa à margem do rio, em grotas, o alimento pouco (“rapadura, broa de pão, cacho de bananas”), sucedâneo de óbolos (moeda grega de pouco valor) para “nosso pai”.

E o que são nossas velas acesas, nossas flores de Finados, nossas prendas aos santos, regalos aos deuses deixados ao mar?

A terceira margem, este não-lugar, o indeterminado, é matéria essencial, argilosa, do ser.

A terceira margem também pode ser, matuto, o rio que o rio faz (Pessoa), e sua atração sobre quem vive à beira dele e se deixa levar por sua imagem-ação, ou se magnetizar, ou ainda pode ser a margem mais profunda de nós próprios, margem que tão raramente se abre em vau, e que nunca alcançamos de pleno, além, quando muito, em um que outro vislumbre.

Asa da palavra

Volto aos 21 contos do Primeiras estórias depois de ouvir mais uma vez, e mais atentamente, a música de Milton Nascimento e Caetano Veloso também chamada A terceira margem do rio.

Agora, mesmo, a gente só escutava era o acorçoo do canto, das duas, aquela chirimia, que avocava: que era um constado de enormes diversidades desta vida, que podiam doer na gente, sem jurisprudência de motivo nem lugar, nenhum, mas pelo antes, pelo depois.

Milton fez a música do filme (1994) homônimo de Nelson Pereira dos Santos, e, creio, anos antes dera a composição para Caetano, como se diz, letrar.

Bituca conta no DVD A sede do peixe, digo de memória (o vídeo que se segue não tem créditos), que a música que compusera, ele logo atinou, cabia tão só a Caetano, e a mas ninguém (“… é aquele negócio, quando faço uma música eu já sei para quem vou dar: direto…”, diz Milton em delicioso miltês.)

Grato, Caetano na vez dele dirá que recebera a encomenda como um recado-dádiva de Milton, de Minas e de Rosa, e já meio pronta, insinuada no título posto pelo parceiro.

Com uma bola assim redonda, era só cortar e fazer o tento; com um passe desses, só marcar o golaço.

É que a letra lhe veio como descarrego (“sinceramente, foi sopa viu…”, ele diz se rindo com Milton). A faixa é do Circuladô, comentado na Ju#57.

Um lance para Rosa

No final da live Minas mundo, uma iniciativa acadêmica levada no final do ano passado, quando é entrevistado, toca piano e canta, ZMW lembra pelas tantas que Rosa dissera certa vez que seu conto chegou prontinho, “num dia luminoso em Copacabana”, diz ZMW, como uma bola que lhe houvessem atirado.

Era só pegar essa ideia-bola e deitá-la no papel, como história, como estória.

Enxerguei nosso pai, no enfim de uma hora, tão custosa para sobrevir: só assim, ele no ao-longe, sentado no fundo da canoa, suspendida no liso do rio.

Veja a leitora, o leitor, as jogadas desse mundo literário, como podem significar e esplender.

A TERCEIRA MARGEM DO RIOMilton Nascimento e Caetano Veloso

Oco de pau que diz:
Eu sou madeira, beira
Boa, dá vau, triztriz
Risca certeira
Meio a meio o rio ri
Silencioso, sério
Nosso pai não diz, diz:
Risca terceira

Água da palavra
Água calada pura
Água da palavra
Água de rosa dura
Proa da palavra
Duro silêncio, nosso pai

Margem da palavra
Entre as escuras duas
Margens da palavra
Clareira, luz madura
Rosa da palavra
Puro silêncio, nosso pai

Meio a meio o rio ri
Por entre as árvores da vida
O rio riu, ri
Por sob a risca da canoa
O rio viu, vi
O que ninguém jamais olvida
Ouvi, ouvi, ouvi
A voz das águas

Asa da palavra
Asa parada agora
Casa da palavra
Onde o silêncio mora
Brasa da palavra
A hora clara, nosso pai

Hora da palavra
Quando não se diz nada
Fora da palavra
Quando mais dentro aflora
Tora da palavra
Rio, pau enorme, nosso pai

Aí me volta aquela conversa gomosa se letra de música é  poesia. Creio que é gênero próprio, e que podemos seguir a chamar simplesmente de letra.

Mas, por certo, há letras e “letras”, como há poesia e “poesia” (o que dizer de tanta chorumela engajada-militante-diversa, cheia de espinhas no rosto, bom coração e autossatisfação a que chamam poesia? sem pejo algum, e a que dão exagerado espaço em eventos e nas folhas ex-culturais?, sem qualquer consideração e entendimento do que é poesia.)

Mas divago, e me escuso.

Caetano logra glosar o conto, dar a Rosa o que é de Rosa em prosa e verso, e logra fazer a letra-poema pertencer à música de Milton, sílabas que pedem para se cantar, e nisso louva a palavra que remete ao fundamento, à brasa, à proa, à asa da palavra, matéria da invenção poética.

Sou o que não foi, o que vai ficar calado. Sei que agora é tarde, e temo abreviar com a vida, nos rasos do mundo.

Travessia

A assinatura sofisticada, caetânica, surge no desfecho do último verso, na letra.

O santo-amarense agora deixa o curso do conto para remar no São Francisco de novo, depois de O ciúme (que é do disco de 1987).

O São Francisco aqui é o rio-esteio do Brasil, no dizer de ZMW na citada lição, o tronco gigante que ao se erguer ajuda pôr o país culturalmente de pé, portanto a existir.

A canção acende essa luz ao citar outro desfecho, o do Riobaldo Tatarana narrador, no parágrafo último da extensa prosa que perfaz a vastidão que é Grande sertão: veredas.

E de onde mais viriam estes: “Fora da palavra/ Quando mais dentro aflora/ Tora da palavra/ Rio, pau enorme, nosso pai”?, senão de: “Cerro. O senhor vê. Contei tudo. Agora estou aqui, quase barranqueiro. Para a velhice vou (…). O Rio de São Francisco — que de tão grande se comparece — parece é um pau grosso, em pé, enorme… (…). Travessia.”

Helahoho! helahoho!
Yat-lô-ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô… Ghi — …?

Um jornal para chamar de seu

Ora, veja o senhor. Jornal vem do latim “diurnalis”, donde diário, desde, é provável (Houaiss), o francês journal. Daí o registro do dia ou da semana, boletim, periódico, revista e magazine. O Jornal do Siúves, anterior à Jurupoca, tinha o sentido de diário blogado. Tentei à época, cruz-credo, criar uma página no Facebook com o nome Jornal do Siúves. Não deixaram, e até negaram meu recurso, sabe-se lá por quê. Mas o que essa nota tem para falar é que a Ju é carta, como referida desde que começou a ser enviada no formado newsletter, há dois anos e tanto, e também jornal, você concorda? A Ju é carta e jornal, semanário dedicado à cultura, às ideias e, claro, alguma lenga-lenga sobre a desordem do mundo. Minha esperança é que, agora, quando, praticamente, não há mais jornal por aí, como conhecíamos as folhas periódicas, impressas, e quase ninguém se recorda da última vez que comprou “seu jornal na banca”, a Jurupoca possa ser um jornal, jornalzinho, como queira, que você, leitor, leitora, possa chamar de seu. Sai toda quinta-feira no final da tarde, quase escurecendo. Sugiro a você que assine a newsletter (plataforma Tinyletter) para ser logo avisado que há uma nova edição no blog, e ter sempre um conteúdo exclusivo lá. Para assiná-la basta clicar aqui. Na página que abrir digite seu e-mail, depois só confirmar, conforme a solicitação enviada à sua caixa postal. Obrigado!

Helahoho! helahoho!
Yat-lô-ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô… Ghi — …?

Uma vista do Belo e seu céu desde a janela da redação da Ju, na tarde de terça-feira (9)

Palavra crua

Por falar em palavra essencial, viva, para uma escuta, audição e leitura complementar ao abre dessa carta (mais propriamente ao poema-letra de Caetano), Uma palavra (faixa B3 do álbum da RCA Victor de 1989) é tiro certo. Com essa canção, Chico Buarque de Holanda mais uma vez nos resgata (e xeque mate!). Ou que tal estes versos: “…palavra dócil/ palavra-d’água para qualquer moldura…”? Quem, dadivado com a herança mais inventiva da língua portuguesa, e ultrajado pela crueldade e violência a que continuamente a submetem, não se sente recobrado? Eu me sinto.

UMA PALAVRA – Chico Buarque

Palavra prima
Uma palavra só, a crua palavra
Que quer dizer
Tudo
Anterior ao entendimento, palavra

Palavra viva
Palavra com temperatura, palavra
Que se produz
Muda
Feita de luz mais que de vento, palavra

Palavra dócil
Palavra d’agua pra qualquer moldura
Que se acomoda em balde, em verso, em mágoa
Qualquer feição de se manter palavra

Palavra minha
Matéria, minha criatura, palavra
Que me conduz
Mudo
E que me escreve desatento, palavra

Talvez à noite
Quase-palavra que um de nós murmura
Que ela mistura as letras que eu invento
Outras pronúncias do prazer, palavra

Palavra boa
Não de fazer literatura, palavra
Mas de habitar
Fundo
O coração do pensamento palavra


Um rubi no novo disco de Gal

Ficou um primor de brilho, precisão e agudez o novo registro de Gal Costa para a canção folk Negro amor, ótima versão de Caetano Veloso e Péricles Cavalcanti de It’s All Over Now, Baby Blue (a letra de Bob Dylan vai aqui) que ela própria havia gravado no LP Caras & bocas, do longínquo 1977. Gal canta essa faixa do novo álbum (da Biscoito Fino), lançado nesta sexta (12), com Jorge Drexler, artista uruguaio que vive na Espanha, que também se encarrega do violão. Não ouviu ainda? Não acredito! O novo arranjo, com violinos, violas (Felipe Pacheco Ventura, autor dos arranjo de cordas) e cellos (Felipe Pacheco Ventura), dá um colorido novo e forte à canção, uma dramaticidade que corta como faca.

NEGRO AMOR – Bob Dylan, versão em português de Caetano Veloso e Péricles Cavalcanti

Vá, se mande, junte tudo que você puder levar
Ande, tudo que parece seu é bom que agarre já
Seu filho feio e louco ficou só
Chorando feito fogo à luz do sol

Os alquimistas já estão no corredor
E não tem mais nada, negro amor

A estrada e pra você o jogo e a indecência
Junte tudo que você conseguiu por coincidência
E o pintor de rua que anda só
Desenha a maluquice em seu lençol

Sob os seus pés o céu também rachou
E não tem mais nada, negro amor

Seus marinheiros mareados abandonam o mar
Seus guerreiros desarmados não vão mais lutar
Seu namorado já vai dando o fora
Levando os cobertores, e agora?

Até o tapete sem você, voou
E não tem mais nada, negro amor

As pedras do caminho, deixe para trás
Esqueça os mortos que eles não levantam mais
O vagabundo esmola pela rua
Vestindo a mesma roupa que foi sua

Risque outro fósforo, outra vida, outra luz, outra cor
E não tem mais nada, negro amor


Allen queria ser Cecilia, e nós também!

Reprodução/TV Globo

Um Woody Allen aos 85 anos, cabeleira branca sem ver pente, sereno, paciente, recolhido em casa há quase um ano, vacinado de primeira dose. É um Allen assim que conversa com Bial. (E pensar que perdemos esse grande jornalista para o BBB por anos a fio). Aqui, Bial tira o melhor de Allen, que se permite falar de tudo com a inteligência habitual, inalcançável por seus perseguidores. Mas humorista e cineasta estão lá. E a eles devemos muito como promotores da vida mais vivível, da vida verdadeira, em clave proustiana. Ou, para falar nos termos de uma de suas primeiras comédias, humorista e cineasta tornaram, para quem viu seus filmes, a condição humana menos desencorajadora. Bial pede que ele se estenda sobre afirmação que faz no livro de memórias sobre Cecilia (Mia Farrow), de A era do rádio, ser a personagem de seus filmes que ele gostaria de ser. O mundo é um lugar triste e brutal, e a existência, sempre uma luta terrível, diz Allen. Que tal se fizéssemos como Cecília, e deixássemos nossa poltrona na plateia para entrar na tela, no filme? Mas não é o que fizemos, tantas vezes? Eu entrava em Manhattan (1979), me declarava a Mariel Hemingway e a livrava do assédio daquele coroa (a personagem tinha 17 anos, eu 18). Bial leva Allen a se repetir sobre sua predileção por Machado de Assis, o que é bom, e contar como descobriu o Memórias póstumas, e a lembrar que poderia ter filmado no Rio, e a rir da infâmia dos tradutores brasileiros que fizeram Annie Hall virar Noivo neurótico, noiva nervosa.


Onde assistir, por favor? (1)

O melhor comprimento de Babenco: Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou, o documentário de Barbara Paz (está fora da disputa do Oscar), é o curta-metragem dela própria Conversa com ele. Ela dirige um depoimento delicado e sincero de Drauzio Varella sobre o paciente e amigo, uma raridade. Vi semanas atrás boa parte, por acaso, no Canal Brasil. Estreou em 2018 na Mostra Internacional de São Paulo. Sumiu do mapa. Não se encontrar em parte alguma. Assim caminha nossa “indústria” do cinema.


Onde assistir, por favor? (2)

Outra: ganha uma turnê por Bollywood, quando passar a pandemia, quem informar ao jurupoco o que se faz para assistir ao documentário Garoto – vivo sonhando, de Rafael Veríssimo, sobre o violonista Garoto, apresentado em setembro último no 12º In-Edit Brasil – Festival internacional do documentário musical. Aí vai pelo menos o trailer. Ouvimos Baden Powell, João Gilberto, Paulinho da Viola, Tom Jobim, Rafael Rabello e cia falarem da importância do músico como criador e influenciador do violão brasileiro. Diz Yamandu Costa: “Garoto é o Brasil mais bonito que pode haver.”


No gargarejo

Um documentário em longa-metragem que estou no gargarejo para ver é Callado, de Emília Silveira, sobre o grande jornalista e romancista Antonio Callado, autor de Bar Dom Juan, Quarup etc. que está pronto desde 2017 mas estreia este mês (24) no streaming. Para um ideia da classe da intelectualidade que o país já produziu, e da verve e elegância do homem, não deixe de ver.


O ciúme na Indochina

Michael Caine é um ator no esplendor da arte de interpretar. É o que me fez ver tantas vezes O americano tranquilo, filme de 2002 dirigido por Phillip Noyce (remake de uma versão esquecida, de 1958, dirigida por Joseph L. Mankiewicz). Agora leio o livro de Graham Greene, lançado em 1955, que não deslustra o filme. Por certo, a literatura raramente é inferior à sua adaptação audiovisual, e não é o caso aqui, ainda que este não seja um Greene em plena força. A leitura aprofunda a prefiguração do Vietnã nos últimos anos de domínio francês na Indochina, e o beco sem saída em que a “América” se meteu. A simpatia de Greene pelos comunistas fica claríssima. Os diálogos quase didáticos entre o correspondente inglês interpretado por Caine e Alden Pyle (Brendan Fraser no filme), o agente secreto norte-americano, são extensos demais e chatos, professorais. Greene interfere muito nessas passagens, quando parece bulir com o narrador. O melhor da história, o mais verossímil, é o ciúme sexual de Fowler (jornalista madurão que abandonara a mulher católica em Londres, a quem nunca foi fiel, e a trai novamente em Saigon) por um Pyle em plena forma, que, nobremente, lhe tira dos olhos, e das mãos, a beleza tenra da ainda quase menina Phuong (Do Thi Hai Yen no filme). As tramas entrecruzadas tornam o livro febril e inesquecível no epílogo, quando Fowler finalmente desce do muro onde seu cinismo o mantinha; ou será que a decisão que ele, aparentemente por indignação e altruísmo, não passa de mera baixeza de um ego ferido?


O livro póstumo do mestre

Harold Bloom deu aulas na Universidade de Yale até uma semana antes de morrer, aos 89 anos, em 2019. Há anos perdera a mobilidade e tinha a companhia permanente de um tubo de oxigênio. Nunca deixou de ensinar. Nos últimos tempos, a reitoria de Yale arranjava um microônibus para levar alunos até sua casa, e ele se iluminava quando chegavam. Era capaz de dizer longuíssimos poemas de memórias e páginas enfiadas de romances; em noites insones, andava pela casa a recitar o Moby Dick. Leio no El País (o New York Times se tornou insuportável em cultura) sobre seu livro póstumo com título em inglês The Bright Book Of Life. Novels to Read and Reread (O brilhante livro da vida. Romances para ler e reler). Bloom começou a ler os livros que comenta e canoniza aos cinco anos de idade e os releu sem parar o resto da vida, alguns títulos várias vezes por ano. Entre seus autores mas diletos, nessa sua única obra dedicada exclusivamente ao romance, estão Cervantes, Tolstói, Proust, Faulkner, Cervantes, Melville, Joyce, Conrad, Virginia Woolf, Sebald…


Dúvida

Me pergunto se um leitor de Paulo Coelho conseguirá reler seus livros, ou se quase 100% do que hoje promovem como música será lembrado, não digo em 60 anos, mas no ano que vem.


Alguém tem que lembrar

O poeta norte-americano de origem sérvia Charles Simic, introduzido no Brasil numa coletânea da Todavia, se diz admirador de Jorge de Lima (O grande circo místico) e Drummond. E que gostaria de ter escrito A mão suja. Que um gringo nos lembre por vias tortas de um poema essencial tem tudo a ver com o destino do Bananão (Ivan Lessa). Mas que bom que tenha lembrado. É um dos primeiros poemas da Antologia poética, com as escolhas do próprio CDA. Começa: “Minha mão está suja./ Preciso cortá-la./ Não adianta lavar./ A água está podre./ Nem ensaboar./ O sabão é ruim./ A mão está suja,/ suja há muitos anos.” E lemos na segunda estrofe: “…A mão escondida/ no corpo espalhava/ seu escuro rastro./ E vi que era igual/ usá-la ou guardá-la./ O nojo era um só…”. O poeta se debate com seu ofício, que reputa indigno, vil, por sua mão não estar suja de terra, carvão, com casca de ferida, com o “sujo de quem trabalhou”.


Albert O. Hirschman

Mario Vargas Llosa faz um elogio refinado e a um tempo uma reflexão sobre suas próprias crenças e as do economista e intelectual judeu alemão Albert O. Hirschman (1915-2012), que foi chegado ao Brasil, onde cultivou amigos como ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o crítico literário Roberto Schwarz. MVL parte do lançamento na Espanha de uma nova edição do ensaio que em português se intitula A retórica da intransigência, último livro de Hirschman, uma crítica ao reacionarismo de direita e esquerda em relação à política econômica e, sobretudo, à liberdade. MVL diz que Hirschman faz falta para nos ajudar a pensar um mundo em que os limites da ciência foram escancarados pelo coronavírus. “Quando a pandemia passar”, ele escreve, “os sobreviventes deste cataclismo medieval vão despertar num mundo empobrecido, no qual o Estado terá crescido em toda parte, sufocando a liberdade mais do que já sufoca, no qual os novos populismos, impregnados de racismo e nacionalismo irracional, se preparam para acabar com as últimas instituições e tomar o poder.” O tom do artigo traz uma estranha serenidade, mais cética que o habitual, e quem sabe mais compatível com o escritor que vive seus 84 anos. Impressiona como o fio e o brilho de sua inteligência se mostram ainda mais agudos.


Erros “escusáveis” (1)

“Se o presidente souber que estamos conversando, vai me foder”, disse o general da banda da Saúde em encontro com governadores, em outubro, ao anunciar que o governo finalmente assinaria contrato com o Butantan para aquisição de 140 milhões de doses da CoronaVac. Como se sabe, quando viu o acordo anunciado por governadores, Sua Excrescência Jumentíssima subiu nas tamancas. “Bolsonaro explodiu. Sua indignação em altos decibéis pôde ser ouvida nos gabinetes próximos à sala do presidente no Palácio do Planalto”. Bem antes, em fevereiro, o então ministro Mandetta fora a São Paulo anunciar, ao lado de Doria, a antecipação da campanha da vacinação contra a gripe, na preparação para a pandemia que se avizinhava. Ao ver ao vivo a cerimônia, Caveirão tentou desesperadamente falar com o ministro pelo celular para ordenar que ele abandonasse imediatamente o evento. São destaques da reportagem “O sabotador — Como Bolsonaro agiu, nos bastidores e em público, para boicotar a vacina”, na Piauí desde mês, despedida de Malu Gaspar da revista, com grande classe. Até as nuvens de Brasília sabem que Caveirão sempre fez e andou para a pandemia e seus milhares de mortos. Sua obsessão com Doria e 2020 é absoluta. O senador Pacheco, novo presidente do Senado, encontrou uma forma original de matar a mãe para conquistar o poder, ao dizer à Folha que os “erros de Bolsonaro na pandemia eram escusáveis”.


Erros “escusáveis” (2)

Nota 10 para Vinicius Sassine pela reportagem da Folha, semana passada, com detalhas de como o governo torrou milhões e envolveu cinco ministérios, estatais e Forças Armadas no “projeto Cloroquina”. Norte e Nordeste receberam o grosso das remessas da droga. Devem merecer, conforme a ótica de Sua Excrescência. Os mortos, nas duas regiões, abatidos pela gripezinha, ou incentivados a não usar máscaras etc., clamam por si. Sassine atualizou sua matéria nesta quinta (11), revelando que o governo usou a Fiocruz  para produzir 4 milhões de comprimidos de cloroquina, com recursos emergenciais destinados ao combate da Covid.


 Arthur Lira

Como Oscar Wilde, acho que minhas primeiras impressões das pessoas são invariavelmente certas. E tenho as piores do novo presidente da Câmara dos Deputados. A ponto de, topando com ele à noite por aí, bater em disparada.

Esse coqueiro que dá coco

Jurupoca #38 – Desde o Belo – 4 a 10/9/2020 – Ano 2

Criança, fui testado positivo para certa cepa de romantismo, da qual a vacina do realismo, que nunca será cem por cento eficaz, não me livrou plenamente, já ao descer a serra. Esta Jurupoca, helahoho, helahoho, é sintoma disso, parte do quadro.

Opa! Vamos apear?

Os sabiás voltaram a cantar e meu ipê amarelo refloriu contra a secura azul de agosto, refazendo um ciclo no qual reconhecemos ou imaginamos vindicar a beleza, e com tal alento recobramos brevemente o fôlego.

Criança ainda, fui testado positivo para certa cepa de romantismo, da qual a vacina do realismo, que nunca será cem por cento eficaz, não me livrou plenamente, já ao descer a serra. Esta Jurupoca, helahoho, helahoho, é sintoma disso, parte do quadro.

Hoje é hoje, e a sucessão de ontens acumula cacos, como xícaras partidas. Cacos às vezes rebrilham, semelhante à luz da estrela que já era mas chega a nós ao anoitecer.

Viver, como se queira, é se ir enchendo um depósito de cacos, trastaria. Então vem o “tempo de madureza,/ quando os frutos ou não são colhidos ou sabem a verme”, na lição de CDA. Mas não há como não levar em conta o rebrilho, hoje e amanhã, agorinha, ainda.

A Jurupoca é necessariamente, no que tenho a dizer (por isso e por enquanto) uma carta extemporânea. “Em que tempo nos tocou viver! diria Flaubert, como disse no s. 19. A novidade de ontem acaba de envelhecer (hoje). Revolucionário não é o black-block, e sim o jovem e corajoso leitor do Grande sertão: veredas”, me diz o Milton Hatoum num bilhete (autorizado de estar aqui).

Lemos, escrevemos e buscamos pensar livremente por acreditar nessa revolução que o João Guimarães Rosa é capaz de promover. Disso resulta a Ju, um artefato analógico (ainda que digital), anacrônico (por mais que recém-chegado), marginal (hehehe, quem diria!), e quixotesco (ora bolas!).

Disso, quero crer, resultou o Escrevidas, poemeto do Moral das horas:

Escrevidas

Escrever por escrever
Por certo. Mas
Ser ou não ser?
 
Viver por viver
Decerto. Então
Escrevidas?

Codinha

Alma na lama:
L’amour?
 

Muito obrigado por assinar e ler a Ju. Sinceramente,

Antônio Siúves


  Yat-lô-ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô… Ghi — …?

Vida e morte nas mesmas mãos

O genial criador do processo químico que permite a extração de nitrogênio da atmosfera, usado na fabricação de fertilizantes, é o mesmo pai do devastador gás cloro, introduzido na Grande Guerra como arma química, e ainda progenitor do poderoso pesticida Zyklon, depois modificado e empregado nas câmaras de extermínio nazistas. Pelo primeiro invento, o alemão Fritz Haber, de raízes judaicas, ganhou o Nobel de Química — dizia-se que ele conseguira extrair “pão do ar”. Como se sabe, os fertilizantes nitrogenados detonaram a explosão demográfica mundial, de 1,6 para 7 bilhões de almas, em cem anos. Pelas químicas outras, Haber será ad aeternum associado à morte industrial de milhões de seres humanos, e ao suicídio da própria mulher, também química, atormentada pela funérea prodigalidade do marido. Essa história é narrada com tintas de ficção por Benjamín Labatut, escritor de origem holandesa radicado no Chile, em Un verdor terrible (Anagrama), ou Um verdor terrível, do qual pode-se ler um vertiginoso trecho no Babelia. O verdor do título refere-se à coloração mostarda da nuvem do gás lançado pelos alemães contra tropas francesas perto da cidade Ypres, no Flandres, a 22 de abril de 1915, levando no vento a “morte total”.

Ah, esse coqueiro que dá coco

No Brasil, a juventude festeja em baladas feéricas o fim da pandemia; onde dá praia, multidões à milanesa fritam-se ao sol e se banham em mares contaminados, nem aí para as marés.

Notícias imperativas de ex-cultura

A Ilustrada, ex-caderno de ex-cultura etc., volta a algoritmar, e a Ju a observar com interesse seus ensinamentos imperativos na série de capas sobretituladas “Entenda…”. A reportagem acima atira uma âncora transatlântica dentro de um livro não traduzido no Brasil, Feminist City, ou cidade feminista, da geógrafa canadense Leslie Kern, para concluir que por aqui ainda não bateu a onda do “urbanismo feminista”, ou, com a boa vontade do texto, pode ser até que engatinhe… A ideia de “cidade fálica” é associada à falta de banheiros públicos afeitos às mulheres nas grandes cidades. Claro, sobra também, no livro da Kern, para os “fálicos obeliscos, colunas e torres de vigia” que “ejaculam luz no céu noturno com seus refletores”. Daí pode-se até viajar na ideia de uma contraposta “cidade vulvar”. Mas antes me ocorre exclamar, parafraseando o maluco da Escolinha do Raimundo, Seu Brasilino Roxo: SÓ SE FOR NO CANADÁ! Porque nossas metrópoles são universalmente dotadas de banheiros públicos para todos os gêneros e classes. Quem frequenta, e.g., o Parque Municipal Renné Giannetti, no Belo, encanta-se com o aspecto imaculado e o permanente cheiro de desinfetante dos banhos municipais. São muito frequentados nos fins de semana, aliás, pela rica classe média de Lourdes, nosso Leblon, como se sabe. Quanto à ejaculação da luz, que bonito! Me lembrou uma canção do José Miguel Wisnik chamada A olhos nus, que diz assim (cantarolemos!): “Uma vez amanheceu/ meu pai mostrou o céu/ onde nasceu redondo o sol/ abrindo um rombo no azul/ abrindo um sonho/ abrindo um tambor de luz/ que enchesse a fábrica/ com seu óleo cru/ e penetrasse os sonhos da família/ a olhos nus // raios de luz/ trabalhando o dia/ raios de luz/ trabalhando o dia/ raios de luz/ trabalhando o dia/ raios de luz/ aquele dia/ raios de luz/ meu pai mostrando o sol/ um rombo azul/ a olhos nus/ raios de luz.” Trata-se quase da mesma coisa, não è vero? Mas essa é uma publicação livre!

Maconha na drogaria 

“Sonhei que o fogo gelou/ Sonhei que a neve fervia/ … Maconha só se comprava/ Na tabacaria/ Drogas na drogaria…”, canta o Buarque em Outros sonhos (do CD Carioca, 2006). Logo ali, no país do lendário José Mujica, o sonho buarqueano se realizou ad hoc.

A erva está disponível em 17 drogarias licenciadas pelo governo. O monopólio estatal, implantado na Lei da Maconha, de 2013, anda bem longe de cobrir a demanda; a turma da chincha reclama que a erva oficial é palha, e de ser obrigada a se registrar para adquirir sua ração periódica da Cannabis sativa ou da Cannabis indica, tipos oferecidos nas farmácias a cidadãos uruguaios. Para a turistama, neca, por enquanto. Um em três usuários fuma o produto estatal, os demais se valem dos bons serviços do paralelo, antes conhecido como “negrol”. Nada disso impede que o país seja decantado mundialmente como caso de sucesso, por sangrar um terço do faturamento do narcotráfico. “Eu uso a indica quando quero relaxar, e a sativa quando quero ser mais criativo, escrever ou desenhar”, explica, como quem prescreve, o jovem Nahun Martínez, de 19 aninhos, à reportagem especial da Folha. O rapaz é funcionário de uma padaria, e ainda há de se revelar ao mundo das artes. Tomara. A Disney da Erva milongueira não é uma Christiania, o parque temático hippie de Copenhague, mas tem museu, circuitos, completas lojas de acessórios e cursos para chefs da alta cozinha canábica. Um estudante brasileiro de nível avançado preparou para os repórteres da Folha um banquete de pratos como o Chicken Sauce Smoke. “Trata-se de um frango com batatas que leva azeite de maconha”, descrevem, para o leitor já na larica. A propósito do nosso vizinho, neste 14 de setembro celebra-se por lá o centenário de nascimento de Mario Benedetti.


GONZAGUINHA (Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior, Rio de Janeiro, 1945 — Renascença, Paraná, 1991) canta COM A PERNA NO MUNDO, composição dele, faixa A2 do LP Gonzaguinha da vida (EMI-Odeon, 1979), com a participação de Djavan no backing vocal.

O delicioso e bem marcado samba autobiográfico, carregado de páthos e alento, melancolia e joie de vivre, tem o dom de me revolver sinapses e aumentar num instante a taxa de serotonina (já que vamos devagar com o romantismo).

Gonzaguinha é daquelas almas que não caberiam neste mundo assombrado pela inteligência artificial, em que a “ética da autenticidade” vira mercadoria barata no Instagram.

Era um homem magérrimo, politizado e lírico a um tempo, de fala pausada, malandra, compassada nas cordas do coração.

COM A PERNA NO MUNDO - Gonzaguinha 
 
Acreditava na vida
Na alegria de ser
Nas coisas do coração
Nas mãos um muito fazer
 
Sentava bem lá no alto
Pivete olhando a cidade
Sentindo o cheiro do asfalto
Desceu por necessidade
 
Oh Dina
Teu menino desceu o São Carlos
Pegou um sonho e partiu
Pensava que era um guerreiro
Com terras e gente a conquistar
Havia um fogo em seus olhos
Um fogo de não se apagar
 
Diz lá pra Dina que eu volto
Que seu guri não fugiu
Só quis saber como é
Qual é
Perna no mundo sumiu
 
E hoje
Depois de tantas batalhas
A lama dos sapatos
É a medalha
Que ele tem pra mostrar
 
Passado
É um pé no chão e um sabiá
Presente
É a porta aberta
E futuro é o que virá, mas, e daí?
 
Ô ô ô ê ê á
O moleque acabou de chegar
Ô ô ô ê ê á
Nessa cama é que eu quero sonhar
Ô ô ô ê ê á
Amanhã bato a perna no mundo
Ô ô ô ê ê á
É que o mundo é que é meu lugar


O banho da Lo Prete

Renata Lo Prete, quem sabe a jornalista brasileira mais completa em plena na labuta, comemora um ano do podcast O Assunto banhada na merecidíssima glória. Seu programa conquistou ampla audiência, inclusive a jovem, e é recomendado por professores a estudantes que se preparam para o Enem. Bateu na estratosfera dos 33 milhões de download. Aos 56 anos, a Lo Prete divide inacreditavelmente seu labor com a edição e apresentação do Jornal da Globo e do semanal Painel, da GloboNews. Enquanto isso, a Folha agrega um terceiro apresentador, jornalista mais tarimbado, pra ver se engrossa o caldo do seu falso Young friendly Café da Manhã.



PEREGRINAÇÃO – Manuel Bandeira

Quando olhada de face, era um abril.
Quando olhada de lado, era um agosto.
Duas mulheres numa: tinha o rosto
Gordo de frente, magro de perfil.

Fazia as sobrancelhas como um til;
A boca, como um o (quase). Isto posto,
Não vou dizer o quanto a amei, nem gosto
De me lembrar, que são tristezas mil.


Eis senão quando um dia... Mas, caluda!
Não me vai bem fazer uma canção
Desesperada, como fez Neruda.


Amor total e falho... Puro e impuro...
Amor de velho adolescente... e tão
Sabendo a cinza e a pêssego maduro...

Este é o oitavo de dez números da Ju com extratos dos poetas reunidos por José Lino Grünewald na antologia Grandes sonetos da nossa língua (Nova Fronteira, 1987).    


Mark Rothko Nº. 11 (Sem título, 1957).
Óleo sobre tela (201.9 x 177.2 cm). Coleção particular. Via WikiArt.  
Pelo final de 2015 comecei a publicar, apenas no blog Livro de Viagem, a coletânea 21 poemas, dois anos depois do Moral das horas. Ilustrei as páginas desse poemário com obras de Mark Rothko (1903-1970), artista nascido onde hoje é Dunaburgo, Letônia, e naturalizado norte-americano.
Meu xodó por Rothko é um negócio do outro mundo; como costuma ser, à primeira vista, nascido, creio, desde que vi seus quadros na Tate Modern, muito tempo atrás.
Suas cores profundas, sobrepostas, graduadas e geometrizadas podem eviscerar a alma de um observador atento e paciente.
Bom, este Nº. 11 me pareceu perfeito para ilustrar o poema [20/21] que me escapuliu da leitura de Tolstói.
GUERRA E PAZ
 
Madrugada
No campo de Borodinó:
Sobre a palha da aveia,
Um silvo rasga a névoa;
A carne acalenta o instante
Pôr do sol.


«Magistocrata não sai de férias, vende. Conrado Hübner Mendes, na Folha.»

«Sem sintomas, brasileira ficou cinco meses infectada pelo coronavírus, caso mais longo já documentado no mundo. O Globo.»

«Hospitais em Nova Orleans mandam pacientes infectados pelo coronavírus para instalações de cuidado paliativos ou para morrer em casa. No ProPublica, em inglês.»

«Marcelo Viana: Limites da mente humana. Na Folha de S. Paulo.»

«Escrever é como girar a faca na ferida, uma rara entrevista com Elena Ferrante. No Estadão

«Eleição nos EUA: E se o Facebook for uma ‘maioria silenciosa’ de fato? New York Times, via Estadão

«Uma entrevista com o cineasta mexicano Alejandro González Iñárritu. Na Letras Libres, em espanhol.»

«Uma entrevista com fotógrafo britânico David Hurn. No Jot Down, em espanhol.»

«A plataforma mais violenta. O problema do extremismo no Facebook. The Baffler, em inglês.»

«Charles Taylor: “É necessário o fortalecimento da identidade comum dentro das sociedades”. Estadão da Arte.»

«A reabertura da museu Casa de Fernando Pessoa. El País, em espanhol.»

JURUPOCA, O AUTOR
E COMO CONTRIBUIR

Jurupoca é uma publicação semanal dedicada às ideias, à crítica cultural e à seleção de conteúdos relevantes numa época de quase extinção do jornalismo cultural, ao menos o que se entendia por esse subgênero, antes de as redes sociais remodelarem nossas vidas. Considere contribuir com a publicação, por meio de uma doação regular — de quanto e no dia em que puder. Para isso, clique aqui, ou copie e cole a URL https://pag.ae/7VCz1usG6. Você será direcionado a uma conta UOL/PagSeguro.

Antônio Siúves, seu autor, é jornalista há 34 anos. Escreveu Moral das horas, 21 poemas e Turismo cultural e literário na Europa.