Onde encontrar o livro

capa

O livro  “Moral das Horas”, lançado pela Manduruvá Edições Especiais, pode ser encontrado nas seguintes livrarias, em Belo Horizonte:

Atualizado em 30/1/2014.

II pequeno manifesto contra o infesto¹

“(…) pois só como fenômeno estético podem a existência e o mundo justificar-se eternamente (…)”
Friedrich Wilhelm Nietzsche — “O Nascimento da Tragédia”

Ó zeloso guardador da chama, livrai-me
do desfile sem vida da vida desventrada,
do riso e da chaga do mundo supurados;

Governai-me, santo anjo, contra o espírito
que rasteja no eterno reino carnavalesco
do álbum multitudinário das redes sociais;

Regei-me para dizer definitivamente não
ao super-homem comum além do homem comum
desnaturado pela tralha-totem da quitanda tec;

Guardai-me da quermesse dos pregoeiros
da migalha moral, da sabedoria prêt-à-porter,
dos faits divers e do golpe político do dejeto;

Se a ti me confiou a piedade, iluminai-me
para atravessar o fétido vagante que exala
do ser gelatinoso a se decompor em nuvens.

(1) Antônio Siúves, “Moral das Horas e Outros Poemas”, Manduruvá, Belo Horizonte, 2013, pág.  70

 

[Atualizado em 06/04/2016]

 

 

Pequeno manifesto contra o infesto¹

(…) Mas esse era um dos problemas em que eu estava trabalhando, veja, as pessoas podem ser livres agora, mas a liberdade não tem conteúdo algum. É como um vazio uivante. (…)”
Fala de Herzog, do livro homônimo de Saul Bellow (pág. 68), Companhia das Letras (2011)

 

🙂 Risus cacosus 🙂 ou  acerca do kkkk na www [dádádá (bliu)] 🙂

kkkk → cácácácá (ad infinitum et ad vomitus)
CóCóCóCó → ovo post (ovum positis)
KêKêKêKê → ipso facto
KiKiKi  → faniquito de fã (fidelis)
KôKôKô → stercore virtual (virtualis)
KáKéKiKóKu → Quod erat demonstradum (Q.E.D.)

Riso sonrisa sonsa sonrisal
Ridendo nihil castigat mores porcaria nenhuma
Adoptare consuetudines risum sim senhora

Submundi sobremundo sobramundos
Mundiário global maravilha est
Supermerdário totalis melecasum

Humani nihil a me alienum puto(a) que pariu (P.Q.P.)

(¹) Antônio Siúves, “Moral das Horas e Outros Poemas”, Manduruvá, Belo Horizonte, 2013, pág. 69

 

[Atualizado em 06/04/2016]