Tag: poemas

Cabeça de Boi e Cachoeira (poema)

Sugerido por meu compadre P. (mesmo sem o saber) para festejar duas de nossas excursões

Para Naná

Cabeça Cachoeira3

I

Desde horas homéricas e eras de Epicuro

(Que aí cristalizou um saber)

O mundo ou o tempo

Ou como se pense tal túrbida medula

(E.g.: como figurar o presente?)

Às vezes se põe entre uma clareira

(E.g.: quando nos ausentamos)

No contínuo de outros tantos (mosaico)

Parênteses onde nos guardamos

E que oxalá nos guardem da vida baldada

(Quase tudo simulacro marcado

Nos livros de haveres e deveres cujo saldo é sal).

 

II

Na ígnea clareira o ágape

A iluminar na terra redescoberta

(da qual tantas vezes regressamos refeitos)

O verdor, a nuvem, o regato

Que se funde melodioso à maquinaria

Do Tempo (meu e seu, sem antes e depois)

(       )

Que, no entanto, ali (ó instante), entre parêntese

Compartimos, a ponto de desacatá-Lo

A ponto de celebrá-Lo em (mitológica) rebeldia

A ponto de comê-Lo e de bebê-Lo entre nós

(Já que humanamente convertemos o vinho e o pão).

 

 

 

 


 

Leia também:

Vozes da fazenda  
Footing no Face
Olive Kitteridge
Fisterra (a menina dos olhos cega)
21 poemas
Poemas de Viagem

 

Vozes da fazenda  

 

Natal e Ano Novo 2009 2010 029
Fazenda Cachoeira (2009/2010). Foto: Aderbal Correa de Sá

 

Ao Compadre, co-autor desta página, e aos primos que preservam a Cachoeira

O Rio se achega e dá-se ao descanso, vale dizer, ao Remanso, pousada breve entre a Pedra e a ravina.

Logo se reparte em dois braços e sobre o penedo rumoreja seu roçar — acalanto da Casa — antes de recomeçar.

Na Casa ouvem-se a Pedra e o Tempo em contracanto.

Ouve-se o claro da flor contra o veludo azul, ao Sol se pôr.

Ouvem-se ecos de risos, lágrimas e suspiros reabsorvidos na Pedra.

Ouvem-se outras vozes no coro: marcos de portas, caibros de telhas, réguas de porão.

Já na aurora, a polifonia no silêncio se fia.

Ouve-se aí só o trio: Rio, Pedra e coração.


Nota: A feitura do poema deve-se inteiramente à inspiração na beleza do ensaio fotográfico que o acompanha, publicado um tanto à revelia do autor, pela mera confiança que se tem num velho e querido cúmplice de jornada, e pelo desejo de compartilhar a expressão artística de um espírito generoso, sensível e incomparável. 

Natal e Ano Novo 2009 2010 025
Fazenda Cachoeira (2009/2010). Foto: Aderbal Correa de Sá

 

Natal e Ano Novo 2009 2010 026
Fazenda Cachoeira (2009/2010). Foto: Aderbal Correa de Sá

 

Natal e Ano Novo 2009 2010 085
Fazenda Cachoeira (2009/2010). Foto: Aderbal Correa de Sá

 

Natal e Ano Novo 2009 2010 077
Fazenda Cachoeira (2009/2010). Foto: Aderbal Correa de Sá

 

Natal e Ano Novo 2009 2010 086
Fazenda Cachoeira (2009/2010). Foto: Aderbal Correa de Sá

 

Natal e Ano Novo 2009 2010 092
Fazenda Cachoeira (2009/2010). Foto: Aderbal Correa de Sá