Grogotó

Daqui a pouco virão o sol, as uvas e o vinho.
Nem é preciso crer nisso.
Nem é preciso crer na sede e na alegria.
Não é preciso crer.
Exceto se a dúvida te divide.

Aí grogotó: pobre de ti,
Quando precisas crer,
Quando queres crer,
Já não podes,
Não podes descrer.

Inventário

Poemeto conformado ao Instagram, nos sentidos de formato e resignação que a palavra abriga.

Como se sabe, 99,999% do que essa rede comporta no gênero são versos amorosos do recitativo “batatinha quando nasce…” ou suspiros solitários xaroposos com apelos a um tempo de autocompaixão e autoajuda.

Tento explorar outras janelas, abertas à poesia propriamente, ouso humildemente dizer, e a outras atividades que me estimulam a ler e criar. O #NãoTemRegistro é uma delas.

O perfil @asiuves reúne poemas ou trechos do poemas do “Moral das Horas” (Manduruvá, 2013), minha primeira coletânea, a exemplo da imagem destacada, e do “21 Poemas“, exclusiva deste sítio, como outras duas ou três iniciativas que não prosperaram ou que ainda, quem sabe, posso retomar.

Sou um aprendiz em seus primeiros passos no “Insta” (do FB desisti há tempos, por total incompetência para pegar o jeito da coisa). Não tenho cem peças publicadas.

Sinto prazer em trabalhar ou me divertir com as possibilidades do quadrado (1080 x 1080 pixels) que a rede determina, ao explorar formas e cores, fontes, fundos e os adesivos que o programa online Fotor dispõe.