Tag: psicanálise

O diário da sexta

DSC_0003
Estranha flor – caminhada no Parque Municipal (Belo Horizonte). Foto: Antônio Siúves

 

PSICANÁLISE

Na Folha de S.Paulo, a verdadeira inteligência está sempre a disputar a atenção do leitor com a impostura intelectual de grife. Com o pretexto da pluralidade ideológica, o jornal realiza seu bem-sucedido marketing, e seja o que deus quiser.  Tomemos a edição desta sexta-feira. No artigo De Marx a Marxilena, Reinaldo Azevedo desmonta com clareza e elegância as ilusões da esquerda de que pode se servir da história como lhe convém — ilusões que não deixam de ser influentes e de fazer estragos. Vladimir Safatle, a pretexto de defender a psicanálise das críticas do neurocientista Ivan Izquierdo, de uma modo tipicamente tortuoso consegue apenas nos mostrar porque a ciência prosperou e a psicanálise, especialmente a pós-freudiana, para qual advoga, naufragou em autoritarismo obscurantista, ditado por bruxos franceses. O que dizer de um período como este?:

“Poucas foram as teses que influenciaram tanto a maneira como nós definimos a nós mesmos quanto a de que somos sujeitos atravessados por algo que nos causa e que não se submete à estrutura representacional de nossa consciência, algo que coloca continuamente questões sobre nossa identidade, a autonomia de nossas ações e a unidade de nossa personalidade”.

Vá tocar piano, Safatle. Influenciaram quem mesmo? Prefiro George Steiner. Psicanálise é para quem quer e pode. Transcrevo mais uma vez o trecho a respeito de sua entrevista ao El País recomenda pelo JS:

A psicanálise é um luxo da burguesia. Para mim, a dignidade humana consiste em ter segredos, e a ideia de pagar alguém para ouvir seus segredos e intimidades me enoja. É como a confissão, mas com um cheque. É o segredo que nos torna fortes, por isso todos meus trabalhos sobre Antígona, que diz: “Posso estar errada, mas continuo sendo eu”. De qualquer forma, a psicanálise está em plena crise. Lembre-se das palavras magníficas de Karl Kraus, o satirista vienense: “A psicanálise é a única cura que inventou sua doença”.

BABENCO

O argentino Hector Babenco foi o grande diretor de cinema que o Brasil não teve nas últimas décadas. Fotogramas de Ironweed, Brincando nos Campos do Senhor, Lúcio Flávio e Pixote passam no nosso imaginário com a fixidez que apenas os verdadeiros artistas são capazes de causar.

O TERROR DO JORNALISMO

A indecente justificativa da exclusão social e do preconceito ocidental contra emigrantes para a ação terrorista nunca é contestada quando aparece, o que é comum, no jornalismo de terceira classe, como o da GloboNews. A explicação ginasiana passa longe da realidade e colabora com o sucesso de novos atentados. Devemos pegar com Alá para entender o que dá em alguém como o motorista do caminhão de Nice. Com a psicologia, a sociologia e a filosofia, até aqui, tem sido inútil.

 HITCHCOCK & TRUFFAUT

Vejo no Philos TV, refúgio ao lixo que grassa nos canais pagos, o filme de Kent Jones que faz um bom resumo da série histórica de entrevista de François Truffaut com Alfred Hitchcock, fonte de um livro clássico, referencial para cineasta e cinéfilos em todo o mundo. Os depoimentos de David Fincher, Martin Scorsese e Wes Anderson no filme explicam por quê. O cinema deve a Truffaut ter, por assim dizer, patenteado a genialidade de Hitchcock. Antes, a crítica torcia o nariz para o inventor de Um Corpo que Cai (Vertigo). A revista Serrote #20 traz as entrevistas de Truffaut feita pela jornalista Lillian Ross, em encontros que vão de 1960 a 1976. É um complemento perfeito ao filme, além obviamente do próprio livro, disponível nas livrarias.

ELLA

Também no Philos assisto de enfiada a três a concertos de Ella Fitzgerald, entre 1969 e 1969, cortejada por bambas como o pianista Tommy Flanagan, o baixista Keter Betts e, no show do clube londrino Ronnie Scott, o guitarrista Joe Pass. Nos três momentos, ainda que àquela altura a artista já tivesse perdido algo da potência do incomparável gogó, Ella ainda era capaz de dobrar e redobrar o tempo como nenhuma outra diva do jazz, de jogar com o silêncio, de exibir uma extensão vocal que leva o ouvinte por uma montanha-russa, sem fôlego e com arrepios.

GATOS NO PARQUE E UMA ESTRANHA FLOR

A cultura da paixão por gatos e cachorros é uma característica de nosso tempo, outro dado, como a existência de 65 milhões de refugiados no mundo, que tentam sobreviver a guerras e à miséria. Recomendo aos chegados que frequentem o Parque Municipal de Belo Horizonte, onde há centenas, talvez milhares de bichanos à solta, em estado selvagem. Boas almas comparecem diariamente para alimentá-los com fartura; há restos de ração por todo lado.

Em um passeio no parque, desviando dos gatos e de sua caca, fotografei a estranha flor ou estranho cacho da foto acima, de um verde que, à luz da manhã, parecia querer saltar da natureza para se tornar artifício.

GLOBALIZAÇÃO É ISSO

Descubro, depois da cidade inteira, que o antigo Pelicano, no Edifício Maletta, deu lugar ao Duke’n’Duke, um pub que se quer autêntico. O chope é delicioso. Pena que não tenham Guinness na chopeira.

OS SONS DA SEXTA

 

 

 

 

 

 

‘Estudos de neurociência superaram a psicanálise’, diz pesquisador brasileiro

Memórias
Da Folha de S.Paulo: ‘Estudos de neurociência superaram a psicanálise’, diz pesquisador brasileiro

Com 60 anos de carreira, 22.794 citações em periódicos, 60 premiações e 710 artigos publicados, Ivan Izquierdo, 78, é o neurocientista mais citado e um dos mais respeitados da América Latina. Nascido na Argentina, ele mora no Brasil há 40 anos e foi naturalizado brasileiro em 1981. Hoje coordena o Centro de Memória do Instituto do Cérebro da PUC-RS.

Suas pesquisas ajudaram a entender os diferentes tipos de memória e a desmistificar a ideia de que áreas específicas do cérebro se dedicariam de maneira exclusiva a um tipo de atividade.

Ele falou à Folha durante o Congresso Mundial do Cérebro, Comportamento e Emoções, que aconteceu esta semana, em Buenos Aires. Izquierdo foi o homenageado desta edição do congresso.

(…)

Folha – É possível apagar memórias?
Ivan Izquierdo – É possível evitar que uma memória se expresse, isso sim. É normal, é humano, inclusive, evitar a expressão de certas lembranças. A falta de uso de uma determinada memória implica em desuso daquela sinapse, que aos poucos se atrofia.

Fora disso, não dá. Não existe uma técnica para escolher lembranças e então apagá-las, até porque a mesma informação é salva várias vezes no cérebro, por um mecanismo que chamamos de plasticidade. Quando se fala em apagamento de memórias é pirotecnia, são coisas midiáticas e cinematográficas.

(…)

Mas muitos neurocientistas consideram Freud datado.
Toda teoria envelhece. Freud é uma grande referência, deu contribuições importantes. Mas a psicanálise foi superada pelos estudos em neurociência, é coisa de quando não tínhamos condições de fazer testes, ver o que acontecia no cérebro. Hoje a pessoa vai me falar em inconsciente? Onde fica? Sou cientista, não posso acreditar em algo só porque é interessante.

Para mim, a psicanálise hoje é um exercício estético, não um tratamento de saúde. Se a pessoa gosta, tudo bem, não faz mal, mas é uma pena quando alguém que tem um problema real que poderia ser tratado deixa de buscar um tratamento médico achando que psicanálise seria uma alternativa.

E outros tipos de análise que não a freudiana?
Terapia cognitiva, seguramente. Há formas de fazer o sujeito mudar sua resposta a um estímulo.

O senhor veio para o Brasil com a ditadura na Argentina. Agora, vivemos um processo no Brasil que alguns chamam de golpe, é uma memória em disputa. O que o senhor acha disso enquanto cientista?
Eu vim por conta de uma ameaça. Não considero um golpe, mas é um processo muito esperto. Mudar uma palavra ressignifica toda uma memória. Há de fato uma disputa de como essa memória coletiva vai ser construída. A esquerda usa o termo golpe para evocar memórias de medo de um país que já passou por um golpe. Conforme essa palavra é repetida, isso cria um efeito poderoso. Ainda não sabemos como essa memória será consolidada, mas a estratégia é muito esperta.